quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Fazer Acontecer


“Não tenho palavras pra agradecer Tua bondade
Dia após dia me cercas com fidelidade
Nunca me deixe esquecer que tudo o que tenho
Tudo que sou e o que vier a ser
Vem de Ti Senhor...” Diante do Trono

Estava meditando no seguinte: quantas são as coisas tenho pedido a Deus, parece até que Ele é meu empregado, que tem a obrigação de agir conforme o meu querer. Que tem que usar Seu poder para fazer um tanto de coisa que eu mesmo já deveria ter feito. Que Ele é o responsável por tudo em minha vida, principalmente por meus fracassos - claro, pois as vitórias eu esqueço logo, mas as derrotas... fico amargando com muitas murmurações e me faço de coitadinha.

Coitadinha nada! Tenho que tomar vergonha!

Tenho muito mais do que mereço e preciso pra viver. E o que tanto quero é desejo meu, sonho, então, devo ir à luta, parar de reclamar e fazer acontecer. Pois tenho livre arbítrio. Posso ficar me queixando de quase tudo ou tomar às rédeas da minha vida, traçando planos e principalmente, meios para realizá-los, e conquistar. Já basta de ficar deixando tudo por conta de Deus! Ele tem poder, é soberano, Senhor e Rei, sim, é. É a Ele que devo pedir direção, ajuda, proteção e aprovação. Mas não basta sentar e ficar esperando que Ele mova os céus a meu favor pra coisas que eu mesmo posso fazer. Quando Jesus ressuscitou Lázaro ele mandou que outros removessem a pedra, ficou pra Ele o sobrenatural, mas o que é natural eu mesmo vou fazer, não vou mais ficar de braços cruzados! Sonhando acordada com um milagre, enquanto o maior milagre que é a vida que Ele me deu vai passando, e os meus dias se abreviando. E as minhas forças diminuindo.

Vou usar minha energia e força pra fazer acontecer e agradecer por tudo que já tenho e ainda vai acontecer de bom, por tudo que sou e sei que ainda serei melhor, e nisso dá pra gastar um tempão. Tanto tempo que não sobrará tempo pra lamentações, pra choradeira.

Porque apesar de não me valorizar como deveria, tenho visto que tenho muito potencial pra vencer na vida e fazer diferença na vida de tantos que fazem parte do meu dia-a-dia.

Sei que sozinha nada posso fazer, mas se o Deus da minha salvação é comigo, tem me capacitado, me dado força e saúde é comigo, eu posso avançar e agradecê-lo muito.

Sobre Aborto


A antiga discussão sobre o aborto está fervendo como nunca em nosso Brasil.

São campanhas na mídia e comentários assombrosos de nossos políticos, tão pouco preocupados com o direito à vida de seres humanos indefesos e tão eloqüentes em sua forma de simplificar as coisas.

Fiquei realmente chocada a nova propaganda veiculada na TV, em que aparece uma mulher falando de suas conquistas: o mercado de trabalho, a pílula, o voto e por fim o que fazer com o próprio corpo. Próprio corpo? Pois bem, se o corpo é dela, trata-se aqui de uma gravidez advinda de uma relação sexual que ela não evitou, ou seja, não foi forçada a fazer sexo e não usou os diversos métodos contraceptivos porque é inconseqüente, e simplesmente acha que pode, depois da concepção pensar em como cuidar do seu próprio corpo tirando o que a está incomodando.

Fala sério? Aborto é coisa séria!

Não pode ser tratado como uma decisão tão simples, como se fosse decidir entre fazer uma plástica ou não, usar roupa azul ou verde, é uma vida que está em jogo! Se esta mulher é assim dona do próprio corpo que controle seus hormônios e antes de qualquer coisa tome as devidas precauções para não ficar colocando filho no mundo. Mas se ele ta aí na barriga, ele já existe, ele já ta no mundo, e a livre, competitiva, capaz de tantas coisas, segura de si e tão liberada mulher de hoje, deve sim ser capaz de assumir a maternidade, de ser mãe.

Quem está na chuva é pra se molhar!

Aí vem o governador dizer que tem sim que liberar o aborto, que tem muitas mulheres com dúzias de filhos pela favela, que tem muita adolescente parando de estudar porque tem filho antes da hora e que isto atrapalha a vida da sociedade, e que por causa da gravidez não tem perspectivas de melhoria de vida. Acredito sim que é antes da hora, e que as mulheres que mais têm filhos são realmente as menos favorecidas. Aí o governo simplesmente resolve com aborto? E as políticas de prevenção? E o investimento em educação de qualidade, em profissionalização, em dar pra essas meninas da favela alguma coisa mais interessante pra fazer do que filho, pois as opções realmente são poucas – e não estou aqui defendendo as irresponsáveis adolescentes, estou é dizendo que o governo tem uma parcela de culpa muito maior do que admite, e que quer resolver sua própria ineficiência com aborto. Qual é a adolescente que tá doida de paixão, querendo transar com aquele príncipe que vai esperar assistir às palestras de planejamento familiar, pra somente depois da participação, agendada pra daqui a uns meses ter acesso à pílula ou à camisinha de graça no posto de saúde? Difícil hein? As palestras são sim necessárias, mas dar acesso aos métodos contraceptivos gratuitamente e sem burocracia é imprescindível! É urgente! Sim, urgente! Pois ninguém fica planejando transar daqui a X dias, quando acontece nem lembra de filho, e quando ele vem assusta mesmo, mas tem que assumir as conseqüências!

Aí tem uma coisa terrível que resolve tudo, é só liberar o tal do aborto. Porque existir ele já existe, e muito. Não é difícil encontrar drogas abortivas nem clínicas especializadas na clandestinidade. Então, ao invés de combatê-las, levantar a bandeira da vida e investir no que realmente importa, me vem o governo querendo liberar geral. Deixar mais fácil a prática de assassinatos em nosso país, divulgando, fazendo marketing pra essa porcaria de aborto.

Fora os que querer tornar esta prática algo comum. Vamos nos dedicar a questões que levantem a vida, e não o contrário. Investir em prevenção e não em facilidades. A partir da concepção já existe sim vida, uma pessoa, um cidadão que deve ser respeitado como tal e protegido contra atrocidades por ser incapaz de si defender. Espero que essa Lei nunca seja aprovada em nosso país, e que esta discussão possa abrir os olhos daqueles que ainda não tem uma opinião formada para o direito de nascer de todos, e não o direito de cuidar do próprio corpo como queiram às mulheres irresponsáveis e insensíveis.

A vida pede lugar!

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Aniversário




Ontem foi o meu aniversário!

27 anos!

Ainda tenho mania de ficar imaginando como será o dia do meu aniversário. Acho que de verdade, verdade mesmo, eu nunca tive um aniversário em que me sentisse completamente realizada, tem sempre mais coisas pra ainda conquistar que já conquistadas, acontece sempre menos coisas do que eu esperava durante o ano que passou e também durante o dia do aniversário.

Agradeço a Deus todos os dias por tudo que tenho. Não falo aqui de coisas materiais, falo de saúde, de família, de amor, de filho, de amigos, de prazer de viver e de ter Deus como Pai. Mas o que não tenho eu realmente lamento, lamento porque queria ter mais para agradecer, para celebrar, para sorrir, para abraçar, ser feliz e dividir. Dividir – pois me falta tempo pra dividir minhas alegrias e angústias, também quero não ter dívidas pra poder dormir tranqüila e dar muitos presentes. Amo presentear, tenho um imenso prazer em poder presentear quem amo! Acho que curto até mais que ganhar os presentes! Mas também amo ser presenteada, surpreendida!

Não me canso de fazer planos, pedidos e de sonhar.

Tem gente que não acredita que um dia vou chegar lá e / ou se contenta com pouco, que me diz: “precisa mesmo de tudo isso, tenha os pés no chão!”. E eu tenho os pés no chão, mas a cabeça lá nas nuvens e o coração em coisas que não são vãs.

Amo minhas cicatrizes e até as teimosas estrias. E não é só porque meu marido diz que são lindas (quase acredito! rrrsss), é porque cada marca que carrego representa parte da minha história. Me traz à memória momentos muito especiais: Tenho uma cicatriz na mão, um corte profundo à faca – estávamos eu a Dimi e a Pitita cortando cana pra levar pra escola, amávamos isso, mas um dia me cortei e escondi o corte pra não ter que levar ponto. Graças a Deus não foi nada grave! Isso lembra o cuidado que tínhamos uma com a outra, uma delícia de amizade! Tenho algumas estrias no seio, me lembram a delícia que é amamentar minha cria. Eu não teria a cicatriz nem a estria se não tivesse história. E mais vale viver a experiência! Viver com intensidade!

Tenho tido saudades de muitas pessoas que fizeram parte da minha vida, tô com vontade de revê-los e colocar a conversa em dia. De ouvir as músicas lá do “fundo do baú”, aquelas que vêm acompanhadas de muitas gargalhadas e lembranças. Lembranças de toda a intensidade com que vivi minha vida e me descobri mulher. Sim. Mulher. Estou me sentindo quase plena. Tem um bebê lindo risonho aninhado em meus braços e um ainda em formação no meu ventre.

Estou descobrindo que não preciso estar sempre bem arrumada pra estar bonita, que minha espontaneidade e alegria me fazem real e, que isto também é belo, que as linhas de expressão que já aparecem mostram que eu sorri mais do que chorei na vida, e que as formas arredondadas que estou retomando com a gestação não me deixam feia (nem linda! Apenas fazem parte), e que não duram pra sempre (sério! da gravidez do Isaac engordei mais de 20 kilos e quando ele estava com 5 meses só faltavam perder 3). Então não me privo de alguns doces prazeres (tomara que a minha médica não leia isto).

Redescobri que ficar sentada no chão brincando é uma delícia, que dar colo pra criança é muito mais receber que dar carinho, e que os momentos simples são os mais memoráveis. E estou muito feliz por ter recebido telefonemas de amigos que a muito não vejo, e-mails e mensagens de muitos que quase perdi o contato, pelos abraços e muitos parabéns que ouvi, pelos presentes que ganhei e principalmente por estar viva e ter a chance de buscar os meus tantos planos, desejos e sonhos por mais um tempo – que espero de todo coração ser o suficiente para ser e fazer muitos mais felizes.

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Filho


Desde a muito tempo atrás eu sonhava ser mãe.

Mas precisava do pai também né?!

O pai eu já conhecia desde os meus 2 anos de idade, mas não sabia que seria ele. Só soube há quase 10 anos. E quando pensava sobre ter, pensava logo em uns 3, mas isso na minha cabeça, só se realizaria quando tivesse mais de 25 outubros. Prá ter muito sorriso e abraço em casa, alegrar mesmo a vida.

Quando esperamos o tão sonhado filho foi uma surpresa que o Heber já queria, que ele até planejara sem nem me consultar. Ficou mais radiante que eu, que fiquei mais preocupada que feliz no primeiro momento, mas mudei todos os meus planos pra nossa Maria caber, ocupar nossos sonhos, e eram muitos sonhos, sonhos de ficar horas e horas contando e se emocionando, amamos muito ela, mas Deus quiz pra Ele nossa menina, e prematuramente ela chegou e se foi.

Tristeza. Medo.

Tristeza porque queria ela aqui, medo de não ter outro pedacinho de mim, de não trer coragem, ou de perder de novo. Mas o Espírito Santo nos consola, nos conforta, nos anima, e uns 3 anos depois já estavámos curados e ansiavamos os 25 anos, prá então, dar forma a mais pedacinho da gente, pra amar muito, cuidar e ver nele o nosso melhor. Dizia a todos na Faculdade: " Vou colar grau de barrigão!"

Daí treinamos, treinamos e treinamos bastante.

E ficou lindamente pronto, após 9 meses de dificuldades em vários sentidos: o desemprego recente do Heber, a fragilidade do colo do meu útero , a falta de grana pra tanta coisa, a impossibilidade de trabalhar e estudar, a dependência de boas ações, etc, etc. E nosso amor tá ainda mais forte, mais intenso, nos respeitamos ainda mais, nos entendemos e sobretudo cuidamos muito um do outro, sou a melhor amiga dele, e ele é meu melhor amigo! Não deixamos de ter defeitos, é claro! Mas nossas qualidades se fortalerecam demasiadamente.

Deus nos abençoou tanto! O parto foi lindo! Natural!
video

Ele lá, segurando minha mão, cuidando de mim e do nosso filho! E nosso filho nasceu! Indescritível o momento! Palavras não tem o poder de definir o que se sente ao ver o rostinho de um filho pela primeira vez! Aqueles olhos arregalados, nos vendo observando, procurando em nós um colo pra aninhar, uma mão pra segurar e se sentir amaparado, é delicioso ser mãe! Meu filho me ama, me toca, abraça, beija, me emociona demais. E ele tem umas reações em que parece que estou me vendo, e em outros momentos parece que estou vendo meu marido lá, rindo, fazendo careta, tão espontâneo, confiante, cheio de personalidade, determinado, quando quer alguma coisa não adianta tentar enganar ou mudar o foco dele, ele já sabe o que quer. É lindo! Ele é muito amado e paparicado! Ele merece!

E eu me acho mais mulher agora! E meu marido mais homem também! Porque filho muda a gente pra melhor, nos faz ver a vida com outros olhos, valorizar coisas e momentos mais simples, dar o nosso melhor pro que realmente é importante.

Ter filho e ser uma mãe de verdade pra ele deveria ser algo que todo mundo tivesse a oportunidade!

E me sinto explendorosa!

Tô grávida de novo!
Tem mais um pedacinho da gente aqui dentro de mim, mais um príncipe ou princesa!
video

Mais um presente de Deus pra nossas vidas! Coisa mais linda! Que Deus mais lindo!

Mudar

Quero mudar!
Quero realmente fazer o que gosto!
Parar de fazer mais coisas de que preciso que coisas que amo fazer. Para de me esconder...
Sair do casulo e voar com todas as minhas cores!

Mudo muito a cada hora, o que pensava antes não é o mesmo agora, pois acrescentou-lhe a visão de novas descobertas, o sabor de novas alegrias ou decepções, eu não sei mentir, quando o faço fica na cara, tenho que acreditar no que tô falando, senão surge em mim um combate ferrenho, acabo contradizendo as idéias que não absorvo. Então pra que fazer coisas que não me agradam?

Tô começando a ser mais eu, a assumir toda minha força, muitos tentam me aborrecer e não permito que me firam, sou toda sorrisos e não me intimido com o poder que eles acham ter, sei exatamente o quanto assusto, mas não me escondo nem fujo, sou eu mesma. Cansei de não me mostrar pra não assustar as pessoas.

É verdade! Assusto muita gente por ser realizada em tantas áreas que as pessoas passam a vida toda tentando, tenho marido e filhos lindos, deliciosos! E uma família bem família mesmo, daquelas cheia de problemas mas que é muito unida, do tipo eu posso criticar, porque são críticas construtivas, falo direto com o sujeito, mas quem é de fora: não mexe não que viro bicho bravo!

Sempre tive mais amigos homens do que mulheres, mulher (a maioria!) acha que as amigas tem de ser feias e inteligentes, ou burras e lindas, não pode juntar as qualidades, tem que ser manca mesmo, como eu revelo as 2 qualidades (oh! já estou mesmo mudando, deixando de lado a modéstia!), amo e sou muito bem amada: assusto! Antes eu até escondia minhas qualidades intelectuais e físicas, se alguma elogiava eu diminuia o elogio - hoje não! Sorrio e digo que sou assim mesmo, e daí? Sou o que sou! Não vou ficar menor, vou é buscar melhorias, pra ser ainda mais que hoje!

Recebo alfinetadas diversas, alguns querem ver meu fim, mas não vão conseguir, porque eu me conheço bem, e não saio por aí arrumando briga, mas pra sair de uma... Saio quando termina, e pra mim só termina quando eu venço! Porque posso até perder a batalha, é perdendo a batalha que a gente aprende, mas a guerra, meu amor, eu já venci!

Nasci pra brilhar! E entenda como quiser, não vou mais ser metade de mim, vou ser completamente eu, com todo meu ser.

Viver pode até doer as vezes porque as pessoas não têm em si o bem que temos, (e mesmo eu não sou assim tão boazinha) nem todas pensam em se dar bem pelo que são, muitas precisam humilhar outras pra se destacar, não tem brilho próprio e a saída é apagar quem brilha, eu sou da turma que brilha e minha luz vem de alguém que é a própria luz, do filho de Deus!

Simplificando: não tem pra ninguém mesmo!

N´Ele eu sou mais que vencedora!

Perdão


Preciso pedir perdão.

Preciso pedir perdão por tantas coisas.

Preciso pedir perdão por tantos momentos em que não me coloquei em seu lugar, que revidei suas provocações, que disse palavras sem pensar, e que até eram verdade, mas que eram duras demais. Por todas as vezes que quiz te abraças e deitar em seu colo, mas sua seriedade me amendrontou e me fez recuar após um curto e seco aperto de mão. Por todas as lágrimas que derramei querendo ouvir você achar em mim alguma qualidade, quando dos defeitos que já enxergo você aponta os piores ângulos, e ainda acrescenta seus pontos de vista, na maioria das vezes cheios de preconceitos e conceitos enganosos, duvidosos e destrutivos. Por você conseguir me encher de revolta, mas não é com você, é com seu jeito de ser e ver as coisas, as pessoas e julgar suas atitudes, ações, e até seus pensamentos que você nem conhece, mas já determina como errantes, pecaminosos, desgraçados... Não te vejo elogiar ninguém, nem nada, nem torcer por coisa boa.

Preciso pedir perdão por não conseguir ficar calada, quieta, apática frente a isso, porque mexe muito comigo! Me faz saltar as veias! E tudo o que quero é que me perdoe por não ser o que você esperava, o que você sonhava, do jeito que você queria. Mas que jeito que você queria? Também não sei! Pois você só fala de coisa ruim, eu não sei o que é bom pra você... Mas eu persisto acreditando que você vai mudar, não me conformo por você não mudar, sempre penso que vou escutar algo surpreendentemente lindo. E acabo me frustrando de novo. E continuo teimosa.

E o que sinto por você é sem explicação.

Porque eu te amo demais!

E eu queria conseguir dizer isso e tantas outras coisas que não consigo, então, me perdoa por isso também. Queria ser transparente pra você. E que eu conseguisse perfurar essa fortaleza na qual você se refugia, dessa cápsula que ninguém ainda alcançou, "e te abraçar laralaralaralala... e te abraçar...", e dizer que sinceramente sinto muito por tudo que passou, e colocar uma pedra em cima do que foi, e esquecer tudo, e renovar, e renascer e ser de verdade sua amiga, cúmplice, companheira, SUA FILHA!

E você meu amigo, confidente, conselheiro, MEU PAI!

Coisas que Quero


Quero muito beijo, abraço e cor.

Quero sorrisos, sonhos e nehuma dor. (Até rimou - parecendo poeta, né?!)

São tantas as coisas que quero que precisaria de mais de uma vida pra realizar tudo. Tanta vida pulsa em mim, tantos sorrisos que dou até sozinha e que quero muito dividir. Assim como os desejos que encheriam muita vida sem vida de vida.

Desde minha infânica alimento idéias que vão mudar o mundo. Muitas delas hoje me parecem inconcebíveis, e até mesmo surreais, coisas que só poderiam mesmo ter passado pela cabeça de uma menina com a cabeça na lua, de apenas 7 anos e meio.

Uma delas era mais ou menos assim: Na escola eu me envolvi em tudo que é assunto social, busca de melhorias, de ajuda, liderando grêmios e turmas pelas quais passei, daí fiz 18 anos e fui eleita vereadora, apresentei os projetos mais legais, que melhoraram a educação da nossa meninada, o envolvimento, capacitação e motivação dos professores, o saneamento básico, o acesso a alimentação de qualidade e a moradia descente.

Na próxima eleição virei prefeita e fiz tanto por minha cidade que fui premiada nos quatro cantos do país. Fiquei tão conhecida que nas eleições pra governador fui eleita no primeiro turno. E como nosso estado prosperou ainda mais que nossa cidade, quatro anos mais tarte foi a vez do nosso país passar por uma mudança espetacular, com a primeira mulher na presidência. E o círculo vicioso do bem tomou conta de todo Brasil.

Graças a educação, os cidadãos estavam mais bem preparados pra o mercado, empreendiam negócios de sucesso, e as empresas cresciam, e contratavam mais, e vendiam mais, cada vez mais dinheiro circulava, e para surpresa de muitos até a saúde passou por uma revolução, e pra ser bem atendido em hospitais de qualidade não precisava mais ter o plano de saúde mais caro, porque a arrecadação de impostos cresceu proporcionalmente à indústria, e como não existia mais corrupção, o dinheiro foi aplicado em construção de hospitiais, e tantas outras benfeitorias. E sabe as cadeias? Tornaram-se verdadeiras escolas intensivas, em que os delinquentes aprendiam uma profissão, passavam por tratamentos diversos e mais de 90% saiam de lá realmente recuperados. E o mundo voltou seus olhos pra nossa nação. E se espelhou em nossos projetos e práticas, e como um efeito dominó a mudança foi acontecendo nos lugares mais descrentes.

E mais e mais pessoas passaram a experimentar a felicidade! E que felicidade... Pena que não realizei esse sonho... Essas coisas eu relamente ainda quero, mas quando vejo o jornal e as coisas ruins que estão acontecendo cada vez mais perto da gente, quantos amigos já perdi pro tráfico, quantos tiveram suas vidas tiradas de forma brutal e violenta, quanto dos nossos suados impostos estão em malas e cuecas, quantas crianças não têm infância nem sonhos, fica difícil acreditar que essas coisas um dia ainda possam acontecer. O mundo tá cada dia mais triste que feliz. Mas eu mesmo assim ainda quero muitas coisas!

E sonho! Hoje sei que da forma que eu pensava quando criança não será, mas pode ser de outro jeito, pode ser na minha família, com meus filhos e marido, irmãos e pais, amigos e quem sabe os amigos de cada um deles, as famílias de cada um deles, etc, etc.

A Bíblia nos mostra que o fim se aproxima, os acontecimentos marcados pelas profecias já aconteceram e acontecem a cada dia, mas enquanto temos a nossa vida ainda é tempo!

Ainda é tempo de fazer diferente! De tentar ser melhor! De pensar menos em ter! De ser feliz agora! De dar felicidade aos que nos amam! De contar a quantos mais for possível que com Jesus fica melhor! Não que os problemas inexistam, mas que com Ele somos mais fortes pra vencê-los! Ao menos o mundo perto da gente pode ser melhor!

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Quem sou?




Eu estava pensando em quem sou eu.




Quem sou pra mim, para meus amigos, para quem me conhece um pouquinho e quem só me conhece de vista. Complicado demais!

Já escutei tanto: "Nossa! Conversando com você, vejo que é muito diferente do que eu pensava!" , "Sério? Você gosta disso? Parece não combinar com você!", e por aí vai, tenho super amigos e amigas que me achavam a garota mais metida à besta do mundo, e faziam parte até de fã clube às avessas: "Poxa Vi, te detestava sem te conhecer..." e etc, etc.

Pra evitar criar mais confusão vou dizer aqui algumas coisinhas sobre mim: não sou introspectiva, nem tímida, nem metida à besta, só não saio por aí dizendo a todos (nem sei se estão interessados) que gosto disso e daquilo, rio à toa, gosto das coisas simples, e não sou preconceituosa.

Aliás, preconceito é uma coisa mais chata ainda, sou branquinha e meu marido negro, daí tem gente que fala de forma discriminatória, e quando falo a cor do meu marido ficam com carão. Fala sério! Cor não define a pessoa. É só mais um detalhe lindo. Por falar em detalhe, eu ser reservada com quem não conheço também é um detalhe. Não me julguem só pela 1ª impressão que podem se enganar muito.
Sou assim: intensa em tudo - não gosto de nada pela metade, sou risonha, amiga, leal, fiel, sincera, honesta, apaixonada por Jesus, curto demais metal e música clássica, gosto de bossa nova, mpb, jazz e blues, falo pelos cotovelos, não suporto injustiça, falsidade, necessidade e nem fofoca (crítica tem que ser construtiva, se for pra detonar a pessoa guarda pra você!), sou batalhadora, vou à luta mesmo, sou inteira, vaiodosa (mas nem tanto, esqueço de um tanto de coisa), abaixo de Deus meu marido e nossos filhos, trabalho pra viver e não o contrário, amo fotografia, cinema, uma boa leitura, gosto de história, de economia e de coisas ligadas a tecnologia, e de viajar, gosto de banho demorado, de ir na galeria do rock, de correr, de fazer novos amigos, de relembrar histórias, de cochilar depois do almoço de domingo, cantar, cantar e cantar, e de rir - rir muito até de mim mesma. Chega né!

Tem coisas sobre mim que só conhecendo pra saber e entender. Mas tem que me conhecer direito. Precisa me amar pra me entender. E quem me ama não me larga mais (rrrsss). Assim como eu também não largo as amizades que recebo, e que são presentes de Deus pra minha vida!

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Começo

Tudo que começo costumo indagar: "Como começar?"
Isso é redundantemente simples demais - basta começar pelo início, ora! Como minha mania de tornar coisas simples em muito importantes impera, pois acho o simples simplesmente magnífico, acabo perdida em tantos possíveis começos.
Parece conversa de gente desmiolada!
Mas quem disse (e pode provar) que desmiolado conversa diferente de quem tem miolo?
Acho que tudo depende do olho de quem lê, de quem vê.
Sabe, queria conseguir expressar em claro português toda minha intensidade, todo meu ser, mas nem mesmo eu me entendo por completo. Sou como um mapa cheio de cruzamentos, daqueles que tem vários túneis, viadutos, marginais, avenidas, vielas, atalhos, etc. Basta acionar com uma palavra que logo um pedaço de pensamento se relaciona com outro, que atalha em outro, e se emenda em outro, e ops! já se foram horas e horas de conversa, linhas e mais linhas escritas, muitas palavras e letras tentando expressar o que se passa em minha caixola. Sempre falta mais uma coisinha a dizer...
Neste espaço espero mostrar um pouco desta minha maneira de ser, pensar, viver, achar e quem sabe eu acabo me descobrindo, me entendendo e até mesmo me revelando como eu
verdadeiramente sou:
Simplesmente Vi!