Caso Isabella Nardoni


Não quero aqui defender esse ou aquele, apenas chamar todos para uma reflexão:


Por que casos como esse atraem tanto a nossa atenção? Por que paramos para repetidas vezes escutar a mesma informação? Por que nos sentimos tão atingidos? Não será hipocrisia? Oportunismo? Não será uma "forma de sentar em nossos próprios rabos"?


Estava conversando ontem sobre isso com meu cunhado-primo, e fiquei refletindo mais tarde: Pra Deus não existe pecadinho e pecadão, nós somos quem julga os outros pelo que mais nos assombra e não damos a mínima para o perdão e compaixão. Somos como aqueles fariseus que queriam apedrejar aquela mulher adúltera. Se temos tantos pecados, por que estamos atirando tantas pedras? Por que estamos dando audiência pra canais que exploram a miséria das pessoas ao invês de fazerem seu papel - que deveria ser somente informar? Onde estão os outros assuntos para a mídia comentar? O que está ocorrendo no resto do mundo e aqui mesmo?


Quantas das mulheres que estão achando tudo um absurdo não fizeram abortos?
Aborto também é assassinato - mas ninguém comenta.


A crueldade choca!


Mas e as milhares de Izabellas (que sofrem até mais crueldade que a própria) estão anônimas nas favelas, nas penitenciárias em celas masculinas, que sofrem abuso com o consentimento dos pais, que são entregues à prostituição, ao espacamento, e pior, ao silêncio?


Deveríamos usar momentos como esse pra refletir sobre essa nossa "compaixão".
Será compaixão?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corte do cabelo da Priscila Fantin passo-a-passo

Ain't Got No / I Got Life

Sobre mentiras e verdades