sexta-feira, 25 de julho de 2008

Profissões Diferentes


No Ministério do Trabalho estão registradas mais de duas mil profissões diferentes, algumas totalmente incomuns e inusitadas. Além da necessidade de fugir do desemprego, muitas pessoas aproveitam seu know-how e experiências pessoais para ampliarem a atuação no mercado. O que, em boa parte dos casos, seria um hobby pode virar uma profissão. É por isso que cada vez mais surgem alternativas bastante criativas para proporcionar aos consumidores o que os prestadores de serviços comuns não oferecem. Já imaginou ter um personal friend ou um personal ipodder? Se você nunca ouviu falar nisso, é bom prestar atenção às novas funções e profissionais que estão se formando. E eles garantem: cliente é o que não falta!

São vários serviços, exatamente aquelas coisinhas que qualquer marido poderia fazer e não faz, por não ter habilidade ou ferramentas

Mas os serviços personalizados que surgem não refletem apenas as necessidades de quem se propõe a oferecê-los - retratam, também, as atuais necessidades dos consumidores. Muita gente prefere pagar para não ter nenhum tipo de preocupação, ou mesmo para receber um tratamento individual e exclusivo. Ter um serviço diferenciado e inovador, que atenda aos desejos e facilite a vida dos clientes, tornou-se alvo de vários profissionais. Prova disso é a advogada e executiva Andrea Carvalho: "Eu, por ser uma executiva, não tinha tempo para pôr minhas coisas e assuntos particulares em ordem e sempre reclamava disso. Logo vi que eu não era a única com este problema", observa ela, que aliou a experiência adquirida e seu prazer em organizar para criar a Do It!, uma empresa de serviço de assessoria pessoal voltado àqueles que não têm tempo ou não querem se aborrecer com questões do cotidiano.

Estresse e preocupação zero

A Do It! atende a pessoas que precisam de dicas ou soluções práticas na hora de trocar, reformar ou decorar a casa, além de organizar e assessorar viagens para oferecer comodidade e tranqüilidade aos clientes. A idéia surgiu quando Andrea estava no processo de mudança entre um emprego e outro: "Tirei algumas semanas de férias e percebi quanta coisa estava pendente em minha vida. Sempre gostei de arrumar, tomar conta da casa, mas estava ocupada demais para isso. Pesquisei, vi que não havia nenhuma empresa que cuidasse de tudo que a Do It! faz, e decidi investir nisso. Estou há mais ou menos quatro meses só neste ramo e encontrei bastante receptividade dos executivos, principalmente", relata.

Hoje, Andrea trabalha gerindo diversos fornecedores, como arquitetos, empreiteiros, eletricistas, buffets, agências de viagem, entre outros. Os contatos e o know how que adquiriu durante os anos em que esteve à frente de grandes empresas foram suficientes para montar a rede de serviços. "Envolve muita gente, mas tudo tem o meu dedo, pois faço questão de que tudo esteja certinho. Para organizar uma viagem de carnaval completa, por exemplo, tive que lidar com agência de viagem, hotel, buffet, restaurante, translado e conseguir os lugares no Sambódromo com a Liga das Escolas de Samba. Eu vendo algo muito conceitual, que pretende garantir ao cliente aborrecimento zero", afirma Andrea.

Problemas em casa? Alugue um marido

Outro tipo de serviço fresquinho que promete acabar com as preocupações de muita gente atende pelo nome de marido de aluguel Mas é bom deixar claro o que este "marido" faz: trabalhos domésticos como reparos elétricos, instalações hidráulicas, troca de lâmpadas e dobradiças, regulagem de portas de armários, instalação de varais de teto, pinturas etc - além de motorista particular. "São vários serviços, exatamente aquelas coisinhas que qualquer marido poderia fazer e não faz, por não ter habilidade ou ferramentas", diz Valdir Peres, mais conhecido como "Billy", o marido de aluguel em pessoa. Tudo começou quando ele viu uma entrevista com um norte-americano que havia montado uma agência de "maridos", há quase 20 anos. "Na época eu estava bem, tinha uma transportadora com 43 funcionários; mas meu maior cliente faliu e me levou junto. Desde então passei a pensar melhor na idéia, e há três anos abri o negócio", conta.

Billy cobra R$ 60 por hora de atendimento e garante que o empreendimento vai de vento em popa, principalmente depois de aparecer em revistas e programas de TV. Mas, com a alcunha de "marido de aluguel", é claro que já surgiram episódios engraçados e constrangedores, de pessoas que confundem o anúncio e ligam para contratar outro tipo de "serviços"... "Cantadas de homens são várias. Aliás, fazem propostas muito boas, oferecendo até R$ 1.000 por uma noite. De mulheres são poucas, mas nunca aceitei. Não é essa a minha política. Acontece também de mulheres que querem ficar conversando após os trabalhos, a maioria senhoras com mais de 55 anos. Percebo que elas são muito carentes, até de papo", comenta Billy.

Mas aquele que tem como objetivo curar a carência de muitas tem outra denominação: personal friend. Isso mesmo. Na onda de profissionais que proporcionam uma alternativa de assistência e exclusividade à clientela, surgiu também o "amigo de aluguel", representado, por exemplo, pelo professor de dança Antonio Carlos da Silva Sá, ou Toni Sá , de 47 anos. Toni define o seu papel como "um acompanhante moderno, com muito respeito" - e, mais uma vez, sem qualquer conotação sexual. "Mulheres de várias idades buscam o serviço, sempre que precisam de um 'apoio' masculino para as mais diversas ocasiões", ressalta ele, que cobra em média R$ 50 por hora de companhia.

Tem gente que ganha um iPod, por exemplo, e não tem tempo, não está a fim ou não sabe mexer no aparelho. Aí a pessoa me liga e a gente bate um papo sobre os gostos dela. Geralmente me informam o gênero favorito e eu adiciono o que acho melhor daquele estilo musical

Toni, que já foi estudante de economia, DJ, promoter, comerciante, ator e até professor de português na Alemanha, hoje se divide entre a faculdade de ciências contábeis, aulas e apresentações de dança, sua grande paixão, e as saídas como personal friend. O serviço personalizado baseou-se na função de dançarino de aluguel, que Toni já exercia nos salões do Rio de Janeiro. "Minhas alunas pediam para ir a bailes e organizávamos grupos com dançarinos. Em alguns dias, a aluna contratante estava indisposta e trocávamos a saída de dança por um teatro, um jantar etc. E assim começou o personal friend. Hoje possuo um grande leque de trabalhos feitos, como ir a shoppings, teatros, cinemas, viagens, casamentos, aniversários, lançamento de livros, escolha de apartamento, compra de automóvel e caminhadas no calçadão da orla", descreve.

De acordo com ele, para ser um personal friend, é preciso reunir algumas características, como boa apresentação, educação, cultura, boa fluência verbal, bom humor e paciência. E isso é necessário até para se esquivar de possíveis armadilhas. "Desagradável foi uma exposição de quadros de uma pintora, onde notei que minha presença era para fazer ciúmes no ex-marido da minha contratante. Toda vez que ele passava, ela me abraçava. A situação foi ficando explosiva e uma amiga dela convenceu-a de ir embora. Menos mal", conta. Toni esclarece que, dos encontros, não raro nascem boas amizades, mas deixa de lado qualquer envolvimento mais íntimo. "Tentações existem, mas esse é meu ganha-pão. Quando surge uma mão na perna excessiva, tenho que sair delicadamente. Não posso nem ser rude, nem deixar que a coisa evolua. Não quero que as pessoas confundam minha proposta", confessa o personal friend, admitindo que um pequeno clima de sedução pode ser legal. Toni, que tem um filho de sete anos, também frisa que não atende a homens.

Organizador de músicas pessoal

Opções não faltam para quem quer um atendimento personalizado, seja para pôr a casa em ordem, resolver pepinos do dia-a-dia, sair acompanhada ou até mesmo organizar suas músicas. Pois é, diante de tantos avanços tecnológicos, não seriam remotas as chances de surgir um personal ipodder. A diretora de arte e DJ Cris Naumovs é uma que incorporou a função, que tem como objetivo reunir no tocador de MP3 do cliente as suas músicas preferidas. "Tem gente que ganha um iPod, por exemplo, e não tem tempo, não está a fim ou não sabe mexer no aparelho. Aí a pessoa me liga e a gente bate um papo sobre os gostos dela. Geralmente me informam o gênero favorito e eu adiciono o que acho melhor daquele estilo musical, ou então dizem para quê querem as músicas - para malhar, para receber os amigos etc", explica Cris, que já criou trilhas sonoras para restaurantes paulistanos badalados, como o Ritz. "Há clientes que me descobriram após irem ao restaurante e gostarem da música ambiente", revela.

Atualmente, Cris cobra R$ 1,50 por canção - o mesmo preço sugerido por alguns outros ipodders. Uma trilha completa, dependendo da memória do player, pode chegar a R$ 5 mil. "Não trabalho só com isso, é uma coisa que gosto de fazer. Às vezes estou muito atarefada, mas atendo em média três clientes por mês", diz ela. É. Definitivamente, trabalho é o que não falta para quem tem conhecimento, bagagem, feeling e muita, muita criatividade.


Fonte: Bolsa de Mulher

Nenhum comentário: