quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Na Mesma Panela de Rodox

Sem volta pra onde eu vou
Tão distante do que eu sou
Ninguén mente pra sempre
A sua rede te pegou

Me diz porque você nem dorme
Quando me ve bem
Talvez porque eu passo algo
Que você nao tem
Não tenho culpa se o seu navio afundou
De cara eu enchi o pé
Na bola que você pisou
Sua semente ruim estragou
Toda a plantação
Perde seu tempo sendo o seu próprio freio de mão
Novela chata essa
Que sua vida escreveu
Eu não tenho que resolver
Um problema que nao é meu

Engole o que sobrou
Do tempo que foi bom
Não deve ser tão mal
Bem perto do final

Na minha casa hoje tem festa
E é pra la que vão
Meus camaradas que são
Como eu, só tem irmão
Comemorando quando o meu inimigo caiu
A tampa do caixão fechou
Quando um portão pra mim se abriu
Em cada parte boa da minha vida eu lembrarei
Do lixo que por te escutar
Eu quase me tornei
Pega suas coisas, sai voado
Não tem goela
Vai cozinhar com os trouxas
Que te ouvem na mesma panela

Nenhum comentário: