5 passos para desenvolver a inteligência emocional

O ser humano é racional e emocional, invariavelmente e ao mesmo tempo, diz o coach executivo e de equipes Carlos Cruz. O indivíduo emocionalmente inteligente consegue mobilizar o que sente de forma estratégica, com o objetivo de alcançar suas metas. Ele reconhece, aceita e gerencia suas emoções.

"Conheço muitas pessoas que deixaram de alcançar melhores cargos por terem perdido o equilíbrio em determinado momento. Quem nunca teve vontade de mandar tudo para o ar? Acredito que a maioria de nós. O importante é saber que isso pode dar uma sensação de alívio na hora, mas será que não trará problemas depois?", questiona.

Não elimine a emoção
Isso não significa que você precisa eliminar ou ignorar o que sente e focar somente na razão. "Imagine um goleiro que vai defender um pênalti sem um dos braços. Impossível, não é? O mesmo aconteceria com uma pessoa que eliminasse a razão ou a emoção no seu dia-a-dia. Precisamos buscar a harmonia e, quanto mais a razão trabalhar com a emoção, mais força e potencial a pessoa terá", afirma o coach.

Segundo ele, a atual crise financeira é um exemplo de situação que exige muito controle emocional. "Até alguns meses atrás, a bolsa de valores era tida como um ótimo lugar para investir, o que levou muitas pessoas a comprar papéis por impulso, sem estudá-los ou realizar um planejamento", diz. Hoje, com as quedas nas bolsas de todo o mundo, investidores, desesperados, estão vendendo suas ações, perdendo uma quantia considerável, sem nem mesmo esperar a recuperação do valor investido.

Desenvolvendo a inteligência emocional
O especialista garante que a inteligência emocional pode ser desenvolvida, por meio de trabalhos que envolvem algumas competências do indivíduo. Ele conta que, durante seus trabalhos, procura se basear nos programas de coaching desenvolvidos por Daniel Goldman. Veja o texto elaborado por Cruz, que traz as cinco áreas que devem ser trabalhadas pelo profissional:
  • Eu me conheço: é a área do autoconhecimento, a sinceridade que cada um tem consigo mesmo para avaliar as suas habilidades de maneira verdadeira, abrindo-se para feedbacks, para reconhecer como as suas emoções afetam seu desempenho e a ligação entre o que pensa, sente e sua maneira de agir. Pare alguns minutos antes de enfrentar um desafio que gera tensão emocional e pergunte-se: Qual é a emoção que estou sentindo neste momento? Como eu posso pensar e agir diferente nesta situação?
  • Eu me gerencio: nesta etapa, busco trabalhar o autocontrole, que permite à pessoa pensar antes de agir, conseguindo, assim, administrar seus impulsos, para não explodir e depois se arrepender. É importante ter a capacidade de se adaptar às situações para alcançar um objetivo, além de flexibilidade e foco em momentos de pressão. Tenha sempre um objetivo em mente e pense quais seriam os passos para alcançá-lo. Pergunte-se freqüentemente: qual comportamento construtivo eu posso ter agora para alcançar meu objetivo?
  • Motivação: os indivíduos têm um propósito, um motivo para agir. Estar pronto para agarrar as oportunidades, superar os obstáculos e aprender com eles para seguir em frente é muito importante. Saiba que o fracasso é um julgamento temporal e trabalhe constante e incessantemente em busca de resultados positivos. Mobilize pessoas para alcançar a realização. Uma pessoa motivada tem iniciativa e persistência. Reflita: suas decisões são motivadas pelo medo de perder ou pela esperança de ganhar? O que você precisa fazer para alcançar seu objetivo?
  • Eu conheço os outros: nesta fase, peço às pessoas que observem suas equipes e os colegas ao seu redor. É preciso mostrar sensibilidade ao ponto de vista do próximo, buscar maneiras de conquistar a confiança alheia e aumentar o nível de satisfação dos outros. Enxergar as diferenças como oportunidades de desenvolvimento faz toda a diferença. Avalie sua capacidade de se colocar no lugar do outro, de compreendê-lo. Faça uma lista das qualidades, talentos e dificuldades das pessoas ao seu redor. Pense também nas idéias pré-concebidas que você tem do seu chefe, clientes e liderados. Podem não passar de preconceitos;
  • Eu gerencio os outros: aqui exercitamos a liderança situacional, gerenciamos conflitos, colaboramos, trabalhamos em equipe, construímos alianças e desenvolvemos os outros. Nesta área, pode-se observar a capacidade de lidar com pessoas difíceis. Desafiar o status quo, ou seja, como as coisas são é uma forma de avaliar como você gerencia os outros. Aproveite para refletir sobre algo importante que deseja comunicar e se pergunte: o que é mais importante nesta mensagem para mim? E para os outros? Pense, ainda, se existe uma melhor maneira de dizer o que deseja.

Fonte: Administradores.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corte do cabelo da Priscila Fantin passo-a-passo

Ain't Got No / I Got Life

Nada pela metade