terça-feira, 21 de outubro de 2008

Erros?


É fácil apontar erros dos outros, cobrar preparação e frieza dos outros, mas pra quem - assim como eu em alguns momentos estive - está apontando a equipe que cuidou do caso do sequestro da Eloá como falha, fica um conselho, a culpa é mesmo deles ou de quem os prepara? Ou de quem se envolve emocionalmente com quem pensa ser sua cara metade e um dia descobre que não é?

Será que sempre que algo de ruim ocorre é preciso achar um culpado?


"Ah, mas não teve tiro antes da explosão, não devia ter invadido!"


E será que o mocinho apaixonado não ia atirar de qualquer jeito? Que só tava esperando um motivo pra se apoiar?


Ou será que demorou a invadir? Ou quando invadiu foi lento demais?


Ou não soube nogociar? Ou que devia ter executado ele antes com atirador de elite?


Ou? Ou?


Sempre que algo sai errado a gente quer colocar a responsabilidade em alguma coisa ou circustância, preferencialmente, em alguém.


Não paramos pra pensar que de qualquer maneira uma tragédia teria ocorrido, que não importa a forma, isso iria mesmo acontecer.


"Ah! Não devia ter arma em casa!" Não deiva mesmo! Mas você não acha que com a facilidade que se tem pra comprar uma ele não iria conseguir outra pra ameaçar e matar?


Mas não deveria ser fácil comprar arma! Mas é fácil!


Vamos tentar mudar a gente, cada um, que o mundo da gente muda.


Porque nós somos omissos. Nós votamos mal. Nós cometemos pequenas faltas e achamos que não tem problema, porque todo mundo comete mesmo. E assim gira o mundo, com um erro sobrepondo o outro.


"Ah! Os pais dela não deviam ter permitido o namoro!"


"Ah! Ela não devia ter usado a internet pra trocar mensagens afetivas com outro!", mesmo quando já tinha passado 1 mês que tinha terminado o namoro.


E o socorro? O médico demorou a chegar ao apartamento?


A polícia custou a imobilizá-lo? E a família dele? Como está? E os amigos de ambos? E a família dela? E os vizinhos? E os traumas? E as dores? E o susto? E? E?


A Nayara não deveria ter voltado? Não, mas ninguém a escutou pra saber porque é que ela voltou. Mas com ou sem ela ele não teria mesmo matado a amada ou se matado? Vai saber...


Trocando em miúdos e parando com as suposições, acredito que lidando com pessoas frustradas e desequilibradas emocionalmente nada é previsível o bastante para caber julgamento de certo e errado.


O cara surtou mesmo! Nada o poderia deter - somente a morte dele! Que também seria culpa do Estado, porque diriam que deveriam ter negociado mais.


Não importa de quem tenha sido a culpa, as pessoas estão precisando é de mais atenção, mais carinho, precisam enxergar que um pé na bunda não é fim do mundo, que uma rejeição não é culpa de ninguém, pode ser apenas um recomeço, que perder um sonho não é motivo pra destruir nunhuma vida.


Que tudo passa! Que quem precisa amar a gente, é a gente mesmo.


E que se eu não me amo, de nada valerá o amor ou o desamor do outro.


Que não importa o que aconteça, temos um Deus que tudo pode, e que sempre nos fará levantar de quantos quedas tivermos.


Que a tristeza pode durar uma noite, e essa noite pode parecer infinita, mas o dia vem, e com ele muita luz e novidade.


À família de Eloá meus profundos sentimentos, que essa dor se acabe na saudade e boas lembranças daquele sorriso lindo e cheio de vida.


Que Deus os abençoe e os faça seguir com fé. Fé de que justiça será feita e que o coração ainda será capaz de um dia, quem sabe, perdoar.

Nenhum comentário: