Horário de verão começa amanhã




A edição de 2008-2009 do horário de verão começa à 0h deste domingo (19). Os relógios deverão ser adiantados em uma hora nos estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. De acordo com o Ministério de Minas e Energia, o horário de verão termina à 0h de 15 de fevereiro de 2009.

O principal objetivo da medida, segundo Ricardo Homrich, secretário-adjunto de Energia do ministério, é a redução da demanda de energia elétrica durante o horário de pico, por meio do retardo do início da utilização da iluminação pública. A previsão é de que haja uma redução entre 4% e 5% na demanda de energia elétrica neste período, o equivalente a cerca de 2 mil megawatts (MW).

Além do Distrito Federal, o horário de verão abrange os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. O ministério afirma que a abrangência se deve ao fato de ser possível um aproveitamento mais eficiente da luz solar nessa época do ano nesses estados.

No Sudeste e Centro-Oeste, a redução na demanda de energia deve chegar, segundo aponta o ministério, a 1.790 MW, o que equivale a uma cidade com 5 milhões de habitantes. Já na Região Sul, a estimativa de redução é de 528 MW, suficiente para abastecer uma cidade de 1,5 milhão de habitantes.

Adaptações do organismo


Acordar mais cedo no primeiro dia do horário de verão pode causar sonolência, mas, segundo Mário Pedrazzoli, geneticista do Instituto do Sono, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o principal problema causado pela mudança de horário é a transformação que ocorre na fisiologia do organismo.


"O sono é só a ponta do iceberg de uma transformação geral causada pelo aumento da temperatura corporal em horário diferente do habitual e pela secreção do hormônio cortisol na corrente sangüínea. É como se o corpo ainda não estivesse pronto para acordar e isso causa sonolência, falta de energia, problemas de atenção e desconforto", diz.

Para amenizar a sensação de desconforto, Pedrazzoli recomenda a exposição à luz do sol pela manhã por pelo menos meia hora, manter a alimentação em horários regulares e adiantados de acordo com o novo horário e não se expor à luz intensa durante a noite. "Outra dica importante é evitar consumir café, refrigerante e bebidas alcoólicas perto da hora de dormir", afirma.

Em média, o organismo demora uma semana para se adaptar completamente à nova rotina, mas há casos de pessoas que não chegam a se adaptar. Segundo o especialista, as crianças são as que menos sentem com o horário de verão e os idosos sofrem mais com a medida.


Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corte do cabelo da Priscila Fantin passo-a-passo

Ain't Got No / I Got Life

Nada pela metade