domingo, 26 de outubro de 2008

Momento de Adeus


Depois de quase 5 anos trabalhando na mesma empresa, convivendo com as mesmas pessoas, sob as mesmas políticas, me vejo agora com a necessidade de me despedir de antigos hábitos e costumes. Coisas que incorporei a minha vida, pura e simplesmente, por fazer parte daquela equipe, e que agora, distante, não fazem mais nenhum sentido. Preciso voltar a me conduzir por meus próprios códigos.
É claro que muitas coisas das quais vivenciei já se integraram a minha maneira de ser, e provavelmente, até meus pensamentos foram alterados em alguns aspectos, meu foco, minha maneira de ver as coisas, passa um tempo e a gente é meio clone da própria organização, mas tem coisas que não dá, por exemplo, falar "lá na minha mesa", "na minha sala", "meu micro", "nós vamos expandir", e coisas do gênero que me vinculem à empresa vou cortar, e já.
Pode levar algum tempo, pois afinal, não temos um botão pra deletar assim tão facilmente, então, estou vivendo o momento de dar adeus. Adeus para aqueles pensamentos corporativos e pré definidos.

Não vou negar que sentirei saudades de muitas coisas. Mas é saudade boa, daquelas que gente recorda com carinho, que ficam guardadas em algum cantinho da gente pra um momento de nostalgia e risadas.

E as pessoas? Já viu como tem gente que trata a gente diferente porque a empresa de dá um certo status? "o fulano da empresa tal!", como se o fulano fosse mais ou menos importante por causa da empresa na qual trabalha. E aquelas que não te conhecem bem o suficiente pra saber de suas razões e decisões e acha que o mundo acabou porque você saiu da empresa? E faltam pouco decretar luto oficial!

Descubro, a cada situação vivida, que as pessoas se revelam nas mudanças: algumas se mostram solidárias a nossa opção e nos apoiam, outras nem sabem das razões das nossas decisões e quase decretam luto oficial, outras começam a lenga-lenga "mas você não vai conseguir outro emprego assim", "mas ficar parada te tira do mercado de trabalho", "não devia ter saído, devia resistido, isso passa, os meninos crescem e você vai sentir falta, não vai encontrar outro..." e por aí vai. As verdadeiras palavras de apoio e encorajamento até aceito, mas essas maldições eu rejeito a todas. O que mais importa na minha vida é minha família, e o mais Deus proverá! Proverá o nosso pão de cada dia, e entenda-se pão como tudo o que eu e os meus precisamos pra viver bem. Proverá um novo emprego quando eu desejar retornar ao mercado de trabalho. E proverá também uma vida própria mais interessante pra esses que dizem se importar tanto com as alheias.

Estou muito feliz! Continuo cansada, é verdade, pois meus pequenos vieram com pilha Duracel, acordam antes das 7 da manhã, às vezes antes das 6, e só dormem mesmo lá pelas 21, fora isso dão uns cochilinhos, mas não em tempo suficiente pra eu tirar uma soneca. Mas estou me sentindo livre! Fazendo tudo com amor e sei que Deus se agrada do meu cuidado com esses serzinhos tão lindos que Ele me deu. Abrir mão, momentaneamente, da minha carreira, para ser mãe foi a melhor escolha que fiz, pois já vejo a melhora no humor, na confiança e carinho dos meus filhotes. Mãe é mãe! E ao menos nessa fase, insubistitível em tempo integral.

Um comentário:

Franciely disse...

Muita gente não tem idéia do que nosso Deus tem pra nós, e já que sabem de tudo!!!(Versos nada) se colocam em lugares de juízes pra decretar o que vai ou não acontecer em nossas vidas. Mas aí vem a decepção, quanto maior a certeza deles na questão de saber o nosso futuro, maior o tombo. Deus é quem sabe de todas as coisas, ele sabe do seu assentar e do nosso levantar, basta você esperar nele, e serás grandemente abençoada.
O talento que Deus te Deus é único, e ninguém tem outro igual. Somos mordomos do Senhor Jesus, e se ele te escolheu pra cuidar das perolas preciosas dele neste momento, ele te honrara e tudo virá no momento certo, porque não cai uma folha de uma árvore se Deus não permitir.
Está abençoada em nome de Jesus, a Sua vida.... Amém
Abraços.