A formiguinha e a Cigarra (Nova versão)


Recebi essa mensagem, da qual não conheço a autoria, mas a moral da história reflete exatamente o que acredito. Leiam, e depois me ajudem a comentar.

"Era uma vez, uma formiguinha e uma cigarra muito amigas.

Durante todo o outono, a formiguinha trabalhou sem parar, armazenando comida para o período de inverno. Não aproveitou nada do sol, da brisa suave do fim da tarde e nem do bate papo com os amigos ao final do trabalho tomando uma cervejinha. Seu nome era "trabalho" e seu sobrenome "sempre".

Enquanto isso, a cigarra só queria saber de cantar nas rodas de amigos e nos bares da cidade; não desperdiçou um minuto sequer, cantou durante todo o outono, dançou, aproveitou o sol, curtiu para valer sem se preocupar com o inverno que estava por vir.

Então, passados alguns dias, começou a esfriar. Era o inverno que estava começando. A formiguinha, exausta de tanto trabalhar, entrou para a sua singela e aconchegante toca repleta de comida.

Mas alguém chamava por seu nome do lado de fora da toca. Quando abriu a porta para ver quem era, ficou surpresa com o que viu: sua amiga cigarra estava dentro de uma Ferrari com um aconchegante casaco de vison.

E a cigarra disse para a formiguinha:

- Olá, amiga, vou passar o inverno em Paris. Será que você poderia cuidar da minha toca?

E a formiguinha respondeu:

- Claro, sem problemas ! Mas o que lhe aconteceu ? Como você conseguiu dinheiro para ir a Paris e comprar esta Ferrari ?

E a cigarra respondeu:

- Imagine você que eu estava cantando em um bar na semana passada e um produtor gostou da minha voz. Fechei um contrato de seis meses para fazer shows em Paris... A propósito, a amiga deseja algo de lá?

- Desejo sim. Se você encontrar o La Fontaine (autor da fábula original) por lá, manda ele ir para a puta que pariu!!!


Moral da História: "Aproveite sua vida, saiba dosar trabalho e lazer, pois trabalho em demasia só traz benefício em fábulas do La Fontaine e ao seu patrão."Trabalhe, mas curta a sua vida. Ela é única!!"


Eu fui criada escutando essa historinha na versão antiga, aquela que diz que você tem de se matar de tanto trabalhar, juntar tudo para um dia mal (que com certeza vai chegar), e se você não se preparar vai ter que pedir ajuda a quem se preparou.

Considero o trabalho muito importante, talvez, uma das coisas mais importantes da nossa vida, que ele deve servir para nos manter e para alcançarmos os bens materiais de que precisamos e que desejamos, além de nos trazer certa dignidade, pois quem não trabalha não é bem visto pelos demais, mas não acredito nessa história de se matar de trabalhar por anos a fio, sem aproveitar a vida, só para ter uma reserva num dia ruim. Acredito inclusive que dias ruins sempre chegam para quem os fica esperando, trabalhando em prol dele. Pois trabalham tanto, se estressam, colocam as necessidades do seu empregador à frente de suas próprias, deixam de curtir seus filhos e cônjuges, não têm lazer, não se alimentam corretamente, não se exercitam, não tiram férias, estão sempre fazendo hora-extra, trabalhando nos finais de semana, levando trabalho para casa, que quando se assustarem, estarão enfartando ou velhos demais para conseguir fazer qualquer coisa, e aí, estarão sozinhos, mau humorados, rabugentos, e tendo à sua volta somente o que juntaram, e terão de gastar mesmo, pra cuidar de si, pra pagar médicos, pra comprar companhia, comprar companhia, etc.

Acredito ser necessário dosar trabalho e prazer, que devemos nos empenhar em trabalhar com o que gostamos, tornando nosso dia o menos massante possível, chegando a ter prazer em sair do aconchego do nosso lar para ir trabalhar. Que no trabalho nossas relações não podem ser de inimigos, por mais que divergências existam, elas devem ser tratadas como possibilidades de crescimento e melhoria, e não motivos pra brigas e picuinhas. E quando sairmos de lá, devemos tentar deixar os problemas de lá, lá. Que devemos sim poupar, mas não em demasia, porque o dia de hoje ainda é mais importante que o amanhã, pois o amanhã não nos pertence.

Acredito que trabalho tem de ter hora pra acabar sim. E quando chegarmos em casa estejamos cheios de amor pra dar, com vontade de dançar até se cansar em uma festa, de saborear aquele prato que só nossa mãe sabe preparar. De nos deixar abraçar por nossos filhos sem adiar afagos e brincadeiras. De tirar férias todo ano. De ter um tempinho só nosso, pra refletir, mudar de direção ou, simplesmente, pra escutar nosso coração bater. Aliás, a quanto tempo você não escuta as batidas do seu coração? E as batidas do coração de seu amor?

Pense nisso! O que é mais importante? Viver pra trabalhar? Ou trabalhar pra viver?

Trabalhos vêm e vão, e a vida? A vida é uma só! Você só tem essa oportunidade para ser feliz e fazer outros felizes. Não dá pra passar a limpo esse rascunho mal escrito por culpa da correria e da má priorização.

Então mude! Mude enquanto é tempo! Enquanto você tem tempo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corte do cabelo da Priscila Fantin passo-a-passo

Ain't Got No / I Got Life

Faça o bem e dê amor