Droga é droga mesmo


Quase inacreditável, que apesar de todos os casos públicos e tão lamentáveis, que terminam sempre com a perda da família ou da carreira (ou de ambos), quando não com a própria vida, ainda existam, pelo Brasil e mundo afora, tantos novos casos de vício em drogas.

Poucos admitem-se viciados e que necessitam de tratamento. Estão sempre achando que são mais fortes que qualquer química a que se submetam, ignorando alertas e apelos dos que desejam sua recuperação. Até nomeiam seu uso como hobbie, passatempo e forma de se abrir, de criar, entre outras descrições de melhor produção artística e pessoal.

O coração de quem ama não enxerga o problema como ele é. Muita gente acha que apenas amando e satisfazendo o outro, ele largará o vício, como se fosse mera distração, desconsiderando as implicações físicas e psicológicas que a droga causa.

Vemos as matérias de mais um fim trágico, já esperado, mas para o qual os mais próximos não estavam preparados: o do ex-marido da Suzana Vieira. Que nunca fora exemplo de conduta, tendo sido expulso da PM, pego em episódios de traição e quebradeira, com variações de comportamento comuns a pessoas desequilibradas.

Seria ele desequilibrado por ser usuário de drogas?

Ou o contrário?

Usuário de drogas exatamente por ser não ser equilibrado?

Fato é, que não tinha mesmo muito caráter, ou ao menos, não deixou nenhuma pista de ter. Vi a mensagem da Ana Maria no programa dela, e concordei com quase tudo que ela falou. Acho que ela foi infeliz em dizer que ele deveria morrer, porque quem decidi isso é Deus. De resto, ele era mesmo um abutre, um aproveitador, um gigolô que dependia do trabalho e esforço dos outros pra se manter, que mesmo não sendo um artista queria integrar o mundo deles, um boa vida que queria se dar bem a qualquer preço - e precisava né, pois seu estilo de vida e sua necessidade por cocaína não saíam barato.

Mas ser esse tipinho aproveitador deve ser algo que tem haver com o meio familiar dele, já que agora andam culpando Ana Maria e Suzana pelo aumento em seu consumo de droga, porque ficou muito chateado com o que escutou e com a perda das mordomias após o fim do casamento (fim provocado pelas puladas de cerca dele).

Faça-me o favor!

Ninguém pode responsabilizar o outro pela estupidez de se embrenhar por esse caminho.

Somos de carne e osso, suscetíveis a erros, a vícios e a descontrole emocional, mas isso não parte do outro, parte de nós mesmos.

Nós é que somos os responsáveis pela nossa felicidade e se damos a outros essa responsabilidade seremos, frequentemente, frustrados, pois ninguém é perfeito.

Chega de drogas, de bebidas, de sexo, de compras, de cigarro, de relacionamentos e de tudo o mais que você usa para mascarar a realidade, pra escapar de suas decisões, pra fugir da sua responsabilidade com você mesmo e com os outros.

Nada que pode te fazer dependente presta! Nada mesmo!

Se você ou um querido já está dependente de algo pra viver, se tem algo do qual você quer se livrar e não consegue, mude de direção.

Peça ajuda a Deus. Creia que Ele te faz capaz de vencer a tentação.

Procure grupos de apoio como o AA. Existem grupos pra ajudar em todas as situações, quando pessoas que tem problema semelhante se apoiam as chances de sucesso são maiores - sem falar nos que já venceram e estarão lá pra aconselhar.

Procure-os e se abra, pare de sofrer e de fazer outros sofrerem por você.

Pra tudo tem jeito, só pra quem já morreu, como o Marcelo, é que não. Perdeu a vida, ainda tão jovem e deixou dor e tristeza.

Faça diferente!

Comentários

Kat disse…
Muito legal esse post. Eu tb acho que todo vício é uma fraqueza e por isso estou correndo de superar o meu: comida! :)

Muito obrigada pela força que vem me dando e por esses posts tão bacanas!

beijocas

Postagens mais visitadas deste blog

Corte do cabelo da Priscila Fantin passo-a-passo

Ain't Got No / I Got Life

Sobre mentiras e verdades