segunda-feira, 27 de abril de 2009

Águas amargas, mas necessárias

Em tempos crise, com tantas dificuldades em área financeira, profissional, existencial e emocional, que só fazem piorar umas às outras, eu te pergunto? E o remédio?

Você quer o remédio? Simples, todo mundo diz que quer, não é mesmo? Mas quando nos deparamos com um remédio amargo, o que fazemos? Reclamamos.

Assim como o povo de Israel, quando após três dias sem água caminhando pelo deserto, encontraram uma fonte, dela beberam e ficaram enraivecidos, exatamente por serem amargas suas águas.

Aquela água era medicinal, água pra curá-los de todas as doenças que tinham os que bebiam das águas do Rio Nilo, no Egito. Águas que bebiam quando eram escravos de Faraó, doenças das quais Deus os queria curar antes que chegassem à Canaã. Mas muitos rejeitaram o remédio.

E assim fazemos nós. Queremos ser sarados de nossa avareza, egoísmo, orgulho, altivez e feridas na alma, mas não queremos passar pelo remédio, que nem sempre tem gostinho de tutti-fruti. Queremos ser pessoas melhores, mas não desejamos, genuinamente, abandonar nenhuma das nossas más ações, nossos maus hábitos e nosso topete.

Precisamos entender que muitas das situações adversas que passamos, é um remédio. Sim, é ruim no momento, tem gosto amargo, mas resolve.

Reflita sobre o quanto você se transforma, cada vez que ultrapassa uma barreira, o quanto você aprende e cresce quando é contrariado e o quanto você passa a valorizar mais as coisas mais simples e verdadeiras quando você é vítima de mentiras ou passa por risco de morte. Muito não é mesmo?

Então, antes de reclamar das situações que surgem, das coisas que não saem como você planeja, veja além das circunstâncias. Veja o que você tirará de proveito e acredite que você sairá ganhando, sempre.

Creia que Deus não te dará remédio tão amargo quanto você não possa suportar, que os efeitos colaterais, Ele mesmo curará, que em todas as situações Ele te fará mais que vencedor.

PS: Se esforce pra não voltar às práticas antigas, pois os remédios tendem a ficar cada vez mais fortes e amargos, hein?

Nenhum comentário: