terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Seja feliz!


"A felicidade é um problema individual. Aqui, nenhum conselho é válido. Cada um deve procurar, por si, tornar-se feliz."

Sigmund Freud
É fácil apontar na vida dos outros onde estão os erros, as falhas e quais caminhos seriam mais felizes. Temos muita facilidade em fazer planos e quando não os tornamos reais, é muito fácil achar culpados.
Difícil é saber que decisão tomar quando se trata da gente. Duro é ter de apontar em nossas atitudes as que não foram as mais acertadas e quais as mudanças precisamos fazer.
Se não está bom? Saia da inércia!
Leia os sinais que os outros dão, que o mercado aponta, que seu coração sente e mude!
Faça mais! Faça Melhor! Determine seu foco! Concentre nele suas energias e prossiga!
Prossiga crendo que nas piores situações encontramos as melhores vitórias.
Acredite que sempre existe uma oportunidade em meio ao caos e a adversidade.
Transforme-se!
Faça o que gosta ou o que for preciso para poder fazer o que gosta. Você pode não gostar de dedicar 5 horas aos estudos por dia, mas se o que quer é uma nova carreira, valerá o esforço pelo prazer de realizar.
Se você quer ser aprovado naquela seleção e não tem as competências necessárias, busque aprendizado, perca algumas festinhas e viagens de final de semana pra mais tarde comemorar a tão sonhada promoção ou aquele novo emprego.
Faça valer! Tome as rédeas da sua vida e seja feliz!
Você merece e é o único responsável!

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Planos? Motivação? Sucesso?


A gente precisa acordar pra própria vida, pra onde está e onde quer chegar. Saber que passos decidir trilhar e deixar de lado a inércia, o comodismo. Não basta fazer, tem de fazer melhor e de forma diferente, inovadora. É preciso se mexer! Recebi esse texto por email e acho muito verdadeiro:
"O presidente mundial da Renault e da Nissan, o brasileiro Carlos Ghosn, que tirou a Nissan da falência, e é considerado o Henry Ford do século 21 diz o seguinte:

"A única coisa que faz a diferença é a motivação. Se você perder a motivação, aos poucos, você perde tudo".

O próprio pensamento de Henry Ford nos traz à tona a importância do caminho que escolhemos com foco em motivação e atitude quando disse: "Se você pensa que pode ou pensa que não pode, de qualquer forma você estará certo".

Uma empresa nunca quebra hoje. Quebra cinco anos antes. Não é falência financeira, é falência motivacional. Vivemos num mundo onde o futuro não é uma repetição do passado. Lamentavelmente, algumas pessoas ainda continuam com a cabeça no século 19 e o corpo no século 21. As certezas de hoje se tornarão os absurdos de amanhã.

Os motivados enxergam oportunidades nas dificuldades...

Os desmotivados enxergam dificuldades nas oportunidades...

Os positivos fazem...

Os negativos reclamam.

Motivação não é cesta básica, não é festa de final de ano...
Motivação é coisa séria, é ciência e quanto mais competitividade, quanto mais feroz uma economia, mais ousadas serão as ações de marketing e mais importância ganha a motivação humana.

Desde que o mundo é mundo passamos por duas situações, ou seja o bem e o mal. A escolha entre ser otimista ou pessimista é de cada ser humano e construirá toda uma estrada em que ele irá trilhar.

82% das maiores empresas do mundo vieram do "absolutamente nada", vieram da garra de seus fundadores, do compromisso destas equipes de trabalho que acreditaram no seu talento, no seu modelo de ação e construíram a sua grande diferença em relação aos outros no mercado. Apenas 18% foram heranças de uma geração para outra.

Lembro-me da história do burro que movimenta o carro enquanto seu dono fica balançando uma cenoura à frente do seu nariz. O dono do burro pode estar indo aonde deseja ir, mas o burro está correndo atrás de uma ilusão. Amanhã, só haverá outra cenoura para o burro.

O que faz a diferença entre ricos e pobres no mundo é a maneira de se pensar e o plano de ação após idéias que podem ser maravilhosas desde que colocadas em prática... Caso contrário elas irão se juntar no cemitério de milhões de idéias que "iriam" revolucionar o mundo. Iriam, porque não saíram do papel ou sequer do pensamento.

A questão é:

O que você está fazendo com suas idéias?

O que faz com os seus pensamentos?

Como anda o planejamento de sua vida e de seu trabalho?"

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Escolhendo a escola do seu filho

É preciso muita paciência na hora de decidir a escola em que seu filho vai entrar


Beto Tchernobilsky

Uma das primeiras coisas com que você vai se deparar ao escolher a escola de seu filho é uma porção de nomes e conceitos. Antes de deixar que dêem um nó na sua cabeça, saiba que em educação os conceitos são a base, claro, mas não são tudo. As linhas pedagógicas da história da educação ainda vigoram e você terá muitas opções. Para conhecer, vai ter de entrar na escola, perguntar, observar, conversar muito. Não para se intrometer no projeto, mas para, quem sabe, ser conquistado por ele. "O olhar do pai é fundamental para saber se a escola tem um ambiente acolhedor", afirma a pedagoga Maria da Graça Souza Horn.
Sim, vocês têm muito trabalho pela frente. Não há receita pronta quando o assunto é escolher a escola ideal para uma criança. Nas próximas páginas, preparamos um guia para você descobrir o que realmente é preciso entender de educação para seu filho começar da melhor forma essa relação que dura a vida toda.



Beto Tchernobilsky

Para escolher bem, você precisa saber se...

... não só gostam de crianças



Beto Tchernobilsky
... o professor continua aprendendo
Os especialistas são unânimes: a formação de um educador deve ser contínua. O ideal é que se defina um espaço para esse aprendizado na própria escola, para que os professores estudem, reúnam-se, discutam em que escola estão e qual caminho vão seguir.

... o discurso não é vazio
Pergunte, pergunte, pergunte. Na hora de discursos prontos como "esta escola incentiva a autonomia", ou dos confusos como "utiliza processo transdisciplinar", emende imediatamente um "como assim?". Peça exemplos, casos, situações, conquistas. Tente entender no cotidiano como isso se dá de fato. Somente assim você vai conseguir visualizar como a educação acontece.

Beto Tchernobilsky

... a brincadeira corre livre



Beto Tchernobilsky

... o espaço também é educativo
A escola deve ter uma área iluminada, gostosa. Não pode ser apenas um quintal adaptado. Pense: será que meu filho vai se sentir estimulado nesse espaço? Como são as cores, as paredes, o que vai fazer parte do campo de visão diário do seu filho? Por outro lado, você precisa checar se o local é seguro, se seu filho vai conseguir se virar bem sozinho sem precisar de cuidados o tempo todo. "Numa escola, todos os espaços são educativos. É como um pátio que só existe para que as crianças corram e corram: tem de pensar, por exemplo, que elas podem não querer ficar correndo o tempo inteiro, podem querer uma sombra gostosa, uma casinha de boneca, um lugar para levar um jogo, sentar", diz a pedagoga Maria da Graça.

... lidam bem com a disciplina
Deixe os preconceitos de lado e entenda de fato como é abordada a questão de disciplina na escola que você visita. Como se trabalham direitos e deveres? Que importância se dá à questão dos limites? Não é porque a escola é "moderna" que é liberal. E nem porque é tradicional que é linha dura. Até nas escolas chamadas de democráticas, existem regras, decididas em assembléias gerais para colocar ordem na convivência. Há maneiras de descobrir como a escola age, se há castigo, se há respeito e impõe respeito às crianças e como acha que a família influencia nisso. Converse sobre o assunto, pergunte como eles lidam com o aluno que "coloca fogo na classe". E avalie se eles conduzem a situação como você faria em sua casa.

Beto Tchernobilsky... vai além do conteúdo da TV
Na escola há música, televisão, aparelho de DVD? E livros? Existem datas comemorativas ou as crianças aprendem cultura popular, erudita, nacional e internacional ao longo do ano? Há passeios culturais? De que forma se trabalha com lixo reciclável ou voluntariado? A escola pode, sim, fazer muito mais pelo seu filho do que reproduzir o repertório da televisão e das datas pré-estabelecidas. E em qualquer idade. Mesmo os pequenos podem tirar proveito do prazer de conhecer uma obra de arte. Muito além do dia do índio, do dia da árvore...

Beto Tchernobilsky... cuidam bem da alimentação
O que a criança come na escola também faz parte do que ela aprende lá. Se o lanche é oferecido por eles, veja se é saudável, bem cuidado. Se há uma cantina, cheque o que oferecem, o que a criança vai poder comprar. Também é importante saber dos combinados sobre o assunto: pode levar bala, salgadinhos, refrigerante? Tudo depende do que você acha bom servir para seu filho...

... seguem uma rotina
Ter horário para fazer as coisas demonstra organização e bom aproveitamento do tempo. Além de trazer segurança para a criança. Cheque se o período que seu filho passa na escola é bem dividido: tempo para brincar, conversar, tomar lanche, descansar, pintar. A escola não é a casa da avó onde tudo pode a qualquer hora.


... os valores combinam com os seus
Você pode por algum motivo se encantar com o estilo de uma ou de outra, mas não pode se deixar levar. "Já tivemos de chamar pais e perguntar: será que é essa mesmo a escola para o seu filho? Para a parceria dar certo, os pais precisam confiar", afirma a educadora Renata, da Escola Viva, que adota uma linha educacional na concepção construtivista.

... os pais parecem felizes
Não há nada demais em buscar referências com colegas ou pais que você conheça na porta da escola. Eles podem ajudá-la a compreender como funciona na prática o projeto pedagógico. A troca de idéias é sempre uma ótima pedida. E ela não precisa parar nunca.

Certeza mesmo você só vai ter no dia-a-dia, mas uma visita com a criança na escola pode ajudar bastante antes de você tomar a decisão. Mas saiba que, em educação, nada é definitivo. Mesmo que não saiba falar, ele pode, e muito, mostrar a você se gosta ou não da escola. Sempre depende do jeito como ele entra e sai, de quanto ele fica bem nela, de quanto é acolhido por todos os funcionários. Ninguém melhor do que você para ajudá-lo a interpretar os sentimentos.

Beto Tchernobilsky

Bilíngüe? Religiosa?


Outra dúvida dos pais é com relação às escolas bilíngües. Mais uma vez, a decisão tem de estar relacionada diretamente com a dinâmica da família. Em geral, ela é mais indicada para as crianças que conversam em casa em outro idioma, ou pais que não queiram perder o contato diário com a língua materna, ou até de famílias que prevêem morar fora do Brasil. Da mesma forma, optar por uma escola de forte tradição religiosa, como colégios judaicos ou dirigidos por padres e freiras, precisa fazer sentido para a família.
Aos 2 ou 3 anos de idade, é ideal que a criança já esteja na escola. "Quanto antes a criança tiver uma estimulação cognitiva e social, melhor. Pois, sim, a escola assume o papel de sociabilizar a criança", diz Quézia Bombonatto, vice-presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia. E, considerando tudo que a educação infantil pode oferecer a seu filho hoje, chega a ser um desperdício deixá-lo em casa – por mais que o seu colo seja sempre bem-vindo.

É importante ter a brincadeira dirigida, mas a espontânea também tem muito valor. O espaço garante autonomia às crianças na sala? Com 1 ano de idade, ela tem objetos acessíveis e adequados para pegar, para escolher? Ou está tudo no armário dependendo de o professor pegar? Escolher o brinquedo tem que ver com aprender a se vestir, aprender a amarrar o sapato. Tudo pode ser feito, com autonomia e supervisão, e de forma gradativa. "Se a sala tem só alfabeto e não tem brinquedo, há algo errado. E não é preciso ser só brinquedo industrial, pode ter sucata, pedrinha", afirma a educadora Karina Lopes.

... gosta do método de aprendizado
Isso engloba tudo: se usam tinta e argila, se há lição de casa, se fazem passeios de exploração do meio, se organizam jogos, se trabalham por temas, se usam livros, se incentivam a leitura, como tratam a alfabetização. Os pais têm de saber o que buscam para o seu filho. O aprender entrelaça-se com o brincar. A criança está mais do que nunca na fase das experimentações. Mexer com tintas e artes, por exemplo, aborda o convívio social e os novos olhares sobre uma mesma "coisa". Mexer com terra dá à criança um envolvimento mais direto com questões ambientais.

Verifique como é feita a avaliação do rendimento da criança. Não é uma questão de nota ou de comparar seu filho com os amigos, mas de saber como está o desenvolvimento dele, emocional e intelectual. Também investigue como a escola trata dificuldades de aprendizagem. Todos aprendem de forma sistemática ou seguem o ritmo de cada criança? E o que acontece com os que se atrasam? Há aula de reforço? Perguntas que você pode, e deve, fazer nas entrevistas.

"Claro que é preciso gostar de criança para trabalhar em escola, mas o profissional precisa gostar é de educação", diz o educador Marcelo, da Estilo de Aprender. Na escola não há criança, há aluno. "Lá, ela interage de modo diferente do que na praia, no clube", afirma o educador.
Ele é quem substituirá, por horas, os pais como modelo de adulto e o que ele disser vira "lei". "É uma relação direta. O que a professora disser ser legal, bonito, gostoso a criança vai gostar. Principalmente na educação infantil, valor e conteúdo estão juntos. Se você dá valor ao livro e vê o professor passando em frente de uma livraria sem olhar para ela, é esse o recado que ele vai passar. Da mesma forma, se os pais não são letrados e a criança ama poesia, pode apostar: a professora tem livros ao redor dela", diz o filósofo Ghiraldelli Jr.
O professor funciona como vitrine da escola. É ele quem mostra o que a instituição pensa sobre ensinar, quem instiga a curiosidade, quem faz o dia-a-dia ser interessante. Mais: quem nos inquieta e nos faz ir em busca de conhecimento. E não é assim o jeito gostoso de aprender?

... as portas estão mesmo abertas
Você tem direito de falar com a diretora, a coordenadora, o professor, o cozinheiro, o faxineiro. Pode andar pelas salas, pátios, banheiros, observar tudo. "O espaço fala mesmo que a gente não queira escutar", diz a pedagoga Maria da Graça. Mas, claro, duvidar tem limite. Para criar uma relação de confiança, o respeito vale para os dois lados. A escola que limita a passagem dos pais tem alguma coisa errada.

... o projeto pedagógico é claro
As linhas pedagógicas da educação permeiam, principalmente, quatro direções: a tradicional, a que segue idéias do construtivismo, a montessoriana e a Waldorf. Mas nomes não bastam. Os projetos pedagógicos são os princípios que vão nortear todas as práticas na escola, desde o fato de priorizar alfabetização ou não, ao tipo de brincadeira a ser estimulada, passando pela forma como os espaços interno e externo são distribuídos. Em muitas há influência de mais de uma linha, o que não é necessariamente um problema. A dificuldade fica por conta dos pais, que querem entender logo que tipo de aprendizado o filho terá. Segundo o filósofo Paulo Ghiraldelli Jr., autor de História da Educação Brasileira (Cortez Editora), até os anos 80 a divisão era mais clara. "O que importa é que a escola tenha um projeto pedagógico, uma linha a seguir. É como acontece com o método de alfabetização. Não é preciso ensinar a criança a ler assim ou de outro jeito: é preciso ensinar a criança a gostar do livro."

Fonte: Revista Crescer

Dicas para viajar com crianças


Levar as crianças para viajar é sempre divertido, mas é necessário alguns cuidados especiais, que vão desde a escolha do destino até a atenção especial com saúde, documentos, compras, etc. Para fazer a melhor viagem com a família, confira algumas dicas:

Escolhendo o roteiro:

Pense para que tipo de lugar você que ir de acordo com a idade das crianças. Prefira lugares que ofereçam diversão garantida, como parques, bons pontos turísticos, shoppings e galerias, etc;
Dependendo da idade das crianças, evite lugares com a temperatura muito baixa;
Verifique a necessidade de um guia turístico para determinado passeio.

Pacotes e passagens:
Este é um dos itens mais importantes. Pesquise bem e veja a melhor opção para toda a família. Para famílias maiores, optar por pacotes, que incluem passagem e hospedagem, pode ser uma boa alternativa;

Em companhias aéreas, crianças até dois anos pagam 10% do valor da passagem; dos 2 aos 12, têm desconto de 50%;

Transportes de passeios, como trens, normalmente oferecem desconto para crianças, principalmente no exterior.

Saúde:
Confira se as vacinas das crianças estão em dia. Se for viajar para o exterior, é necessário verificar as vacinas locais;

É importante a família ter convênio médico. Caso a viagem seja para o exterior e a família não tenha convênio, é recomendado contratar um plano especial, apenas para a viagem. O mesmo vale para seguros.

Hotéis:
Prefira hotéis que ofereçam espaço para diversão, com playground, piscina, campo, quadra de esporte, etc;

Verifique se você precisará de um berço ou camas extras;

Informe-se sobre as regras do hotel, como o que as crianças ficam autorizadas a consumir do serviço de quarto, do bar, restaurante, etc;

Compras
Estabeleça, antes de viajar, qual o limite da família para compras. É normal crianças quererem comprar tudo o que vêem pela frente, principalmente se o destino da viagem for cheio de shoppings e galerias;
Em free shop, há limite para compras por pessoa.
Documentos
Crianças também precisam de documentos, principalmente para viajar. Se viajar para o exterior, verifique o passaporte.
Se a criança viajar desacompanhada, é necessária autorização judicial. Para isso, basta comparecer a um Juizado de Menores.
Fonte: Terra

Amor é tudo!


"Se um dia tiver que escolher entre o mundo e o amor... Lembre-se. Se escolher o mundo ficará sem o amor, mas se escolher o amor com ele você conquistará o mundo."

Albert Einstein

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Vamos ao teatro? 36ª Campanha de Popularização do Teatro e da Dança


Em Belo Horizonte acontece de 05 de janeiro a 07 de março a 36ª Capanha de Popularização do Teatro e da Dança. Uma super oportunidade de assistir dezenas de espetáculos na cidade pagando apenas R$ 10,00 pelo ingresso. Uma ótima dica, não é?
Confira aqui a lista de atrações aqui.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

De Martha Medeiros


"Sumi porque só faço besteira em sua presença, fico mudo quando deveria verbalizar, digo um absurdo atrás do outro quando melhor seria silenciar, faço brincadeiras de mau gosto e sofro antes, durante e depois de te encontrar.
Sumi porque não há futuro e isso não é o mais difícil de lidar, pior é não ter presente e o passado ser mais fluido que o ar.

Sumi porque não há o que se possa resgatar, meu sumiço é covarde mas atento, meio fajuto meio autêntico, sumi porque sumir é um jogo de paciência, ausentar-se é risco e sapiência, pareço desinteressado, mas sumi para estar para sempre do seu lado, a saudade fará mais por nós dois que nosso amor e sua desajeitada e irrefletida permanência."


Martha Medeiros

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Pra pensar...


"A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade."
Carlos Drummond de Andrade

domingo, 17 de janeiro de 2010

Sobre estar P... da vida


Amor é coisa complicada!
Amo muito! Amo muita gente!
Amo de muitas maneiras! Amo com diferentes intensidade!
Amo meu amor, meus filhos, irmãos, amigos, minha mãe e meu pai
Nem sei contar quantos amo porque amo demais
Amo amar mas também detesto esse sentimento
Porque a gente não só ama, a gente também espera ser amado
Espera ter nos olhos do outro a mesma imagem que nós temos dele
Espera que nossos amigos nos deem a mesma atenção que damos e até mais
Sim, somos egoístas e ocupados demais pra dar e demonstrar todo nosso amor
Mas não vemos que o outro também tem muitas coisas a fazer e também tem pouco tempo
Achamos que damos mais que recebemos e criamos mais expectativas que caminhos
Pra aproveitar o pouco tempo que temos pra amar e compartilhar ao invês de cobrar
Detesto cobrança! Destesto obrigação!
Detesto cobrar! Detesto que alguém faça qualquer coisa porque cobrei!
Sou assim: amo, mostro, sinto e às vezes nem mostro, mas não cobro, nem quero ser cobrada
Deixa viver... Deixa amar...
Deixa ter espaço pra sentir vontade...
Deixa estar tão junto que não lembra de mais nada lá fora...
"Saber amar é saber deixar algueém te amar"
"Porque eu sei que é amor, eu não peço nada em troca"
Apenas amo... E se parar de receber amor vou parando de amar... Vou deixar de querer...
O que não é minha culpa, nem culpa de ninguém, apenas acontece...
E assim como amar acontece, pode acontecer de deixar de amar...
tem momentos em que a gente detesta a gente e as coisas que a gente faz...
Mas não muda, e volta...
Tudo funciona em círculos...
Tudo é relativo...
Minha cabeça tá dando um nó e deve estar saindo fumaça...
E já nem estou mais tão p... da vida assim...
Passou!

Lembrei que vi na casa de uma amiga livro com um título mais ou menos assim: P... da vida! Vou arrumar um tempo pra ler também. Já estou lendo o Pachecão e o da Nina.
A lista de desejos de leitura só faz crescer...

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Paixão por brigadeiro



Tem coisas na vida que são irresistíveis, não é mesmo?
Pra citar apenas 3:
Sorriso de criança...
Música animada...
Brigadeiro...
Amo! Amo brigadeiro! Seja enrolado com granulado, pra comer de colher e lamber os dedos depois... É bom demais! Pra que não sabe como fazer, ou está a fim de se torturar lembrando, vai a receita:

1 lata de leite condensado
3 colheres (sopa) de nescau (achocolatado)
1 colher (sopa) de manteiga


Modo de Preparo:


Leve ao fogo estes 3 ingredientes até dar o ponto de desprender do fundo da panela. Desligue o fogo e acrescentar:
1/2 lata de creme de leite (sem soro).
Coloque em pequenas taças, cubra com chocolate granulado e coma de colher.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Corda bamba


Minha cabeça está estranha e eu estou confusa, buscando saídas
Minhas idéias são distantes e em nada se parecem com a urgência dos momentos que vivo
Na verdade não tem nada de estranho nem confuso pois já me decidi
Adequar minha realidade a isso que quero é mais difícil
Até porque sei bem o que quero e principalmente o que não
Mas fazer sair da imaginação e querer para a prática é que são elas
Sei que a vida é feita de altos e baixos, mas oscilar demais e ficar a deriva pra ir cada vez mais fundo não faz minha cabeça
Quero novidade! Não que me canse rápido: sou paciente e não me guio pelo que os outros dizem
Apenas estou sentindo cheiro de novidade...
Será? O que será que será? Novo? Melhor? Diferente?
Espero! Anseio! Quero! Sigo! Persisto!
Quando? Agora!!!