Sobre estar P... da vida


Amor é coisa complicada!
Amo muito! Amo muita gente!
Amo de muitas maneiras! Amo com diferentes intensidade!
Amo meu amor, meus filhos, irmãos, amigos, minha mãe e meu pai
Nem sei contar quantos amo porque amo demais
Amo amar mas também detesto esse sentimento
Porque a gente não só ama, a gente também espera ser amado
Espera ter nos olhos do outro a mesma imagem que nós temos dele
Espera que nossos amigos nos deem a mesma atenção que damos e até mais
Sim, somos egoístas e ocupados demais pra dar e demonstrar todo nosso amor
Mas não vemos que o outro também tem muitas coisas a fazer e também tem pouco tempo
Achamos que damos mais que recebemos e criamos mais expectativas que caminhos
Pra aproveitar o pouco tempo que temos pra amar e compartilhar ao invês de cobrar
Detesto cobrança! Destesto obrigação!
Detesto cobrar! Detesto que alguém faça qualquer coisa porque cobrei!
Sou assim: amo, mostro, sinto e às vezes nem mostro, mas não cobro, nem quero ser cobrada
Deixa viver... Deixa amar...
Deixa ter espaço pra sentir vontade...
Deixa estar tão junto que não lembra de mais nada lá fora...
"Saber amar é saber deixar algueém te amar"
"Porque eu sei que é amor, eu não peço nada em troca"
Apenas amo... E se parar de receber amor vou parando de amar... Vou deixar de querer...
O que não é minha culpa, nem culpa de ninguém, apenas acontece...
E assim como amar acontece, pode acontecer de deixar de amar...
tem momentos em que a gente detesta a gente e as coisas que a gente faz...
Mas não muda, e volta...
Tudo funciona em círculos...
Tudo é relativo...
Minha cabeça tá dando um nó e deve estar saindo fumaça...
E já nem estou mais tão p... da vida assim...
Passou!

Lembrei que vi na casa de uma amiga livro com um título mais ou menos assim: P... da vida! Vou arrumar um tempo pra ler também. Já estou lendo o Pachecão e o da Nina.
A lista de desejos de leitura só faz crescer...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corte do cabelo da Priscila Fantin passo-a-passo

Ain't Got No / I Got Life

Nada pela metade