quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Jeito de Ser - Marta Medeiros


Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento.

É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza.

É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto.

É uma elegância desobrigada.

É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam.

Nas pessoas que escutam mais do que falam. E quando falam, passam longe da fofoca, das pequenas maldades ampliadas no boca a boca.

É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir a frentistas.

Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros.

É possível detectá-la em pessoas pontuais.

Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece, é quem presenteia fora das datas festivas, é quem cumpre o que promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem está falando e só depois manda dizer se está ou não está.

Oferecer flores é sempre elegante.

É elegante não ficar espaçoso demais.

É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao de outro.

É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais.

É elegante retribuir carinho e solidariedade.

Sobrenome, jóias e nariz empinado não substituem a elegância do gesto.

Não há livro que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo, a estar nele de uma forma não arrogante.

Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural através da observação, mas tentar imitá-la é improdutivo.

A saída é desenvolver em si mesmo a arte de conviver, que independede status social: é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu, que acha que com amigo não tem que ter estas frescuras.

Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é que não irão desfrutá-la.

Educação enferruja por falta de uso.

E, detalhe: não é frescura.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Passividade me assusta


Tenho medo de gente muito passiva!

Gente que não reage a nada - não se importa em esculhambarem o time do coração ou xingarem a mãe, expressa a mesma opinião sobre todos os políticos, não decide qual cor quer usar e vai logo aceitando a que estiver à mostra, tem medo de dizer não e está sempre agradando todo mundo, se anula na hora de escolher o que comer,fica em cima do muro até quando tem de escolher um personagem da novela, é um verdadeiro maria vai com as outras e não se impõe nunca.

Tenho medo da hora em que surtar e resolver descontar tudo em algum sem sorte que estiver atravessando seu caminho, ou que por baixo dessa máscara de excessivamente bonzinho e cordato esteja um psicopata - já pensou nisso...

Eu já!!!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Final de semana


Final de semana de quem é mãe, esposa, estuda e trabalha fora em tempo integral não é fácil! Me arrisco a dizer que durante o final de semana me canso mais que descanso, mas de uma maneira bem mais divertida e agradável - claro!

Tenho que cuidar da casa, das roupas, dos meninos, das minha unhas e cabelo, tenho que brincar e levar meus filhos pra passear e ainda tentar descansar.

Esse final de semana, por exemplo, no sábado acordei às 6 e 20 da manhã com o Samuel pedindo leite com Tody. Depois o Isaac acordou, tomamos café da manhã e maridão foi trabalhar. Enquanto assistimos filminho e dançamos algumas músicas prediletas dos meninos, arrumei casa, lavei parte das roupas, fiz a unha, almoçamos, brinquei com carrinhos, carretas e motoquinhas com eles e coloquei-os pra dormir.

Enquanto dormiam eu descansei um pouco, até cochilei, e já deixei roupas preparadas para banho e casamento da minha amiga. Coloquei mais roupa no varal, dei lanche, banho, nos arrumamos e fomos pra Igreja. Depois de cumprimentar os noivos, fomos a uma festa country onde nos esbaldamos em comidinhas da roça, revi amigos e os meninos não se cansaram de ficar babando nos bichinhos.

Cheguei em casa tarde. Peguei as roupas do varal. Namoramos um pouo, dormi feito pedra, e no domingo pouco depois das 6 os meninos já estavam me chamando de novo...rrrrssss. Tomamos café da manhã, estendi mais roupas no varal e brincamos até que minha mãe chegasse, para irmos à casa da minha tia, lá e na casa da minha prima foi só diversão e brincadeira até quase 6 da tarde. De volta pra casa, banhos, lanchinho e cama.

Eu ainda assisti a um filme enquanto meu marido não chegava do trabalho, lanchamos, namoramos um pouquinho e pronto - acabou o final de semana!

Ainda tem uma pilha de roupas que não passei, e pretendo (preciso!) fazer hoje. Ainda não recomeçaram minhas aulas, então não deixei de fazer nenhum trabalho, ainda bem! Queria ter feito umas compras pra casa mas não deu tempo - tive de ir no supermercado ontem.

Enfim, eu acho que mães precisam de ao menos mais um dia no final de semana...

Aliás, não acho. Eu tenho certeza!

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Complicar ou descomplicar


Sou do tipo prática - às vezes até demais! Mas prefiro lidar com os práticos que com os métodos ao extremo.

O problema dos práticos é que por terem raciocínio rápido, às vezes já entenderam, filtraram e podem não ter expressado qualquer opinião por já estarem pensando em outras opções mais interessantes.

Já os metódicos pecam pelo excesso - tudo tem muitos detalhes, tem de ser extremamente bem organizado, exaustivamente minunciado. Aí acontece que algo sem importância toma proporções tão grandes que tornam-se expressivos, mesmo não sendo.

Algo complicado pode ser descomplicado para os práticos, mas algo simples de resolver torna-se altamente complicado para metódicos.

Não estou dizendo que todos os metódicos complicam a nossa vida, hein. Não vá colocar palavras na minha boca - ou ser prático demais e já ler isso nas entrelinhas, por favor, rrrsssss... Tenho muitos amigos sistemáticos e metódicos - pessoas boníssimas. Ou seja, a chatice e a tendência ae complicar não é culpa do metódico por si só, é a soma com a antipatia e mania de problema mesmo.

A minha bandeira é pra descomplicar! Tudo!

Assim como na moda, em que tudo se transforma, a vida e as pessoas também podem se transformar. Não precisa se tornar um peso para os outros, não precisa oprimir, não precisa fazer tempestade em copo d´água - ora bolas!

Vamos ter mais empatia, descomplicar e aceitar as coisas simples assim como elas são. Em tudo há um "q" de charme, de inspiração e de boa vontade. Claro que em alguns casos é preciso mais longaminidade, mas é possível ter um dia mais agradável, um trabalho mais produtivo e relacionamentos mais duradouros - basta a gente querer!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Pela luz dos olhos teus


Quando a luz dos olhos meus

E a luz dos olhos teus

Resolvem se encontrar

Ai que bom que isso é meu Deus

Que frio que me dá o encontro desse olhar

Mas se a luz dos olhos teus

Resiste aos olhos meus só p'ra me provocar

Meu amor, juro por Deus me sinto incendiar

Meu amor, juro por Deus

Que a luz dos olhos meus já não pode esperar

Quero a luz dos olhos meus

Na luz dos olhos teus sem mais lará-lará

Pela luz dos olhos teus

Eu acho meu amor que só se pode achar

Que a luz dos olhos meus precisa se casar.

Vinícius de Moraes

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Árvore Genealógica


Mãe, vou casar!

Jura, meu filho ?! Estou tão feliz ! Quem é a moça ?

Não é moça. Vou casar com um moço.. O nome dele é Murilo.

Você falou Murilo... Ou foi meu cérebro que sofreu um pequeno surto psicótico?

Eu falei Murilo. Por que, mãe? Tá acontecendo alguma coisa?

Nada, não... Só minha visão que está um pouco turva. E meu coração, que talvez dê uma parada. No mais, tá tudo ótimo.

Se você tiver algum problema em relação a isto, melhor falar logo...

Problema ? Problema nenhum. Só pe nsei que algum dia ia ter uma nora... Ou isso.

Você vai ter uma nora. Só que uma nora... Meio macho. Ou um genro meio fêmea. Resumindo: uma nora quase macho, tendendo a um genro quase fêmea...

E quando eu vou conhecer o meu. A minha... O Murilo ?

Pode chamar ele de Biscoito. É o apelido.

Tá ! Biscoito... Já gostei dele.. Alguém com esse apelido só pode ser uma pessoa bacana. Quando o Biscoito vem aqui ?

Por quê ? Por nada. Só pra eu poder desacordar seu pai com antecedência.
Você acha que o Papai não vai aceitar ?

Claro que vai aceitar! Lógico que vai. Só não sei se ele vai sobreviver... Mas isso também é uma bobagem. Ele morre sabendo que você achou sua cara-metade. E olha que espetáculo: as duas metade com bigode.

Mãe, que besteira ... Hoje em dia ... Praticamente todos os meus amigos são gays.

Só espero que tenha sobrado algum que não seja... Pra poder apresentar pra tua irmã.

A Bel já tá namorando.

A Bel? Namorando ?! Ela não me falou nada... Quem é?

Uma tal de Veruska.

Como ? Veruska... Ah !, bom! Que susto! Pensei que você tivesse falado Veruska.

Mãe !!!...

Tá.., tá..., tudo bem...Se vocês são felizes. Só fico triste porque não vou ter um neto ..

Por que não ? Eu e o Biscoito queremos dois filhos. Eu vou doar os espermatozóides. E a ex-namorada do Biscoito vai doar os óvulos.

Ex-namorada? O Biscoito tem ex-namorada?

Quando ele era hétero... A Veruska.

Que Veruska ? Namorada da Bel... "Peraí". A ex-namorada do teu atual namorado... E a atual namorada da tua irmã . Que é minha filha também... Que se chama Bel. É isso? Porque eu me perdi um pouco...
É isso. Pois é... A Veruska doou os óvulos. E nós vamos alugar um útero..

De quem ?

Da Bel.

Mas . Logo da Bel ?! Quer dizer então... Que a Bel vai gerar um filho teu e do Biscoito. Com o teu espermatozóide e com o óvulo da namorada dela, que é a Veruska. Isso. Essa criança, de uma certa forma, vai ser tua filha, filha do Biscoito, filha da Veruska e filha da Bel. Em termos... A criança vai ter duas mães : você e o Biscoito. E dois pais: a Veruska e a Bel. Por aí... Por outro lado, a Bel....,além de mãe, é tia... Ou tio... Porque é tua irmã.

Exato. E ano que vem vamos ter um segundo filho. Aí o Biscoito é que entra com o espermatozóide. Que dessa vez vai ser gerado no ventre da Veruska... Com o óvulo da Bel. A gente só vai trocar.

Só trocar, né ?

Agora o óvulo vai ser da Bel. E o ventre da Veruska.

Exato! Agora eu entendi ! Agora eu realmente entendi...

Entendeu o quê?

Entendi que é uma espécie de swing dos tempos modernos!

Que swing, mãe ?!!....

É swing, sim ! Uma troca de casais... Com os óvulos e os e spermatozóides, uma hora no útero de uma, outra hora no útero de outra....
Mas...

Mas uns tomates! Isso é um bacanal de última geração! E pior... Com incesto no meio..

A Bel e a Veruska só vão ajudar na concepção do nosso filho, só isso...

Sei !!! ...

E quando elas quiserem ter filhos... Nós ajudamos.

Quer saber ? No final das contas não entendi mais nada. Não entendi quem vai ser mãe de quem, quem vai ser pai de quem, de quem vai ser o útero, o espermatozóide... A única coisa que eu entendi é que...

Que.... ?

Fazer árvore genealógica daqui pra frente... vai ser foda.

(Luiz Fernando Veríssimo)

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Revela-te em mim, Senhor!


Preciso de ti Senhor! Preciso do Seu cuidado e força, do Seu amor e sabedoria...
Ajuda-me nessa semana, com muitas vitórias, soluções e portas abertas.
Quero ver o Teu agir em mim, realiza os sonhos do meu coração, atende os anseios da minh´alma. Mostra-me Tua glória em tudo. Renova em nós o primeiro humor.

Espírito do Vivo Deus
Manifesta o Teu Poder
Revela o peso da Tua Glória
Vem com o peso da Tua Glória me cobrir
Flua o Rio de vida aqui
Que a verdade do Teu Reino reine em mim
Vem com o peso da Tua Glória, vem com o peso da Tua Glória aqui
Espírito do Vivo Deus
Manifesta o Teu Poder
Revela o peso da Tua Glória
Não buscamos Tuas Mãos,Tua Face queremos ver
E conhecer Teu Coração
Revela Tua Glória com Poder
Vem com o peso da Tua Glória me cobrir
Flua o Rio de vida aqui
Que a verdade do Teu Reino reine em mim
Vem com o peso da Tua Glória, vem com o peso da Tua Glória aqui