segunda-feira, 4 de abril de 2011

Como acabar com a insegurança?


Ai ai! Melhor coisa do mundo é amar e se sentir amada, não é?

Claro que tem seus percalços, probleminhas durante a caminhada e tals... Estou casada há mais de 10 anos e ainda hoje passamos por aparas - que nos mantém acesos e cheios de paixão. Nos nutre e fortalece, nos faz repensar e ainda mais apaixonados ficar.

Entre altos e baixos em que o amor sempre esteve aqui e tornou-se ainda maior, um dos grandes "bafos" é a insegurança - ora minha, ora dele. Pelas mais diversas razões e superada de formas que nem sei (falando sério, tem vezes que nada é feito e ela some, e já noutras, me esforço, redobro cuidados e lá está ela na cabecinha e comportamentos dele), estamos nessa!

Sem tempo, vida corrida e agitada: trabalhando, estudando, cuidando de filhos, casa e carreira, tendo pouco tempo pra dedicarnos um ao outro (pois a agenda dele também tá lotada!). O resultado? Pulgas atrás da orelha e a maldita insegurança latente, pulsando, povoando malignamente nossos instintos e achismos, fazendo curtir menos os momentos que temos junto, já que são gastos com interrogatórios e parcelas exponenciais de dúvida.

Coisa chata! Mas compreensível, já que quando é com a gente parece que o mundo (ao menos o nosso) vai desabar.

Preciso acabar com essa insegurança!

Torná-lo seguro, menos ciumento (que não importa perto de quem eu esteja é ele o meu alvo, não importa onde eu esteja, sou unicamente dele. Não me sinto nem um pouco atraída por ninguém, só penso nele) e sem dúvidas do meu amor, desejo, paixão, dedicação, admiração (meu homem é lindo, !)  e exclusividade (sempre!).

Mas é difícil, apesar de parecer óbvio. É trabalhoso fazê-lo ver que apesar da correria e falta de tempo, minha ausência e cansaço nada tem de falta de interesse por ele - que o que sentia, sinto ainda mais, que não penso em deixá-lo, nem o meu amor diminuiu, apenas estou sem tempo pra demonstrar de formas que outrora o fiz, pois minhas energias nesse momento decisivo da vida estão focadas  nesse projeto (que também é importante pra ele e toda família). Não! Ele não está em segundo plano! Ele é um dos motivos desse projeto!

Uma luz por favor!!! Preciso mostrar que estou aqui, mesmo quando nem estou. Que meu coração pulsa e meu sangue ferve por ele. Que nos intervalos faço mil planos e que ele - fruto do meu amor e homem da minha vida - está incluído em todos, que fazê-lo feliz é o maior dos planos. 

Preciso de mais força! Física e emocianal, viu? Pra não apagar de repente e nem conseguir esperar sua chegada. Pra não ficar irada quando percebo uma desconfiança. 

Preciso de você aqui, meu amor! Comigo, sem receios ou resgardos, inteiro e cheio de amor pra dar (também tô carente!). Do jeito que a gente gosta e quer! Do jeito que nosso amor foi moldado, sobreviveu a tantos vendavais e persiste - grande, inabalável e  muito lindo.

Te amo muito e demais da conta!

Alguma dica aí de como surpreender meu gato? Please! Help-me!

PS: Já entendi! O problema não sou eu, era do momento baixo astral dele. E passou, graças a Deus! Agora ele tá cheio de auto confiança. Valida ainda mais aquele pensamento sobre ter de estar bem consigo mesmo pra ficar bem com os outros, né?