terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Urgência de viver


Já faz muito tempo que não escrevo aqui - e sinto falta. Teria um zilhão de motivos para dar, mas como uma frase que li hoje mexeu comigo, não vou me desculpar ("Quem quer de verdade faz o tempo!"). E faz mesmo! Eu faço tempo pra muita coisa! Algumas por mania, outras por vício.

Tenho guardado meus escritos bagunçados, restritos, só meus, deixando pra depois, pensando em elaborar melhor, porque sou prolixa, complicada e sem ponto final, sempre. Já me aceitei assim e não vai mudar. Então, é conviver. E me deixar soltar, sem perfeccionismo ou muito floreio.

Hoje vivi despedida de uma vida tão cara de forma abrupta que não quero mais deixar nada guardado, nem para depois, nem para quando der tempo, nem para algum dia.

Vou fazer mais e ser mais presente hoje! E fazer as coisas que me dão prazer! E cantar as músicas que escrevo e deixo "para algum dia", e dizer pra quem eu gosto agora o quanto é que gosto. 

Não assisto mais TV pois assim me sobra tempo para ler, cantar e curtir meus pequenos, mas quase tudo que faço e gosto se torna um vício tão intenso que quando me pego estou de novo sem tempo - estive lendo até 2 livros por semana nesses últimos meses e assistindo a pelo menos 1 filme por dia (fora os filmes infantis que assisto centenas de vezes com os meninos). Faço várias coisas ao mesmo tempo e no final nenhuma delas tem entrega merecida. Abaixo os vícios! Abaixo a falta de entrega! Vou tentar não ler enquanto faço massagem no pezinho do meu caçula (ele adora!) ou enquanto meu primogênito conta as novidades da escolinha... 

Não é que eu não esteja lá. Eu estou. Mas em pedaços, porque quero fazer tanta coisa antes que o dia termine...

Vou programar menor quantidade de tarefas. Meninos estão de férias e vou mesmo é curtir com eles. Ser criança o maior tempo possível - já trabalho sério tantas horas. 

Sabe, quando o pior acontece é desses momentos lá de longe, que foram bons, que foram confortáveis, que a gente nem lembrava mais, que a gente nem pensava em muita coisa e só fazia, é que a gente se lembra.

Despedindo-me do Robert - 4 anos mais novo que eu, de família de amigos muito próximos, que vi nascer, que brincamos tanto juntos - apesar de quase não termos mais contato em 16 anos, o que filme que passou na minha cabeça desde que recebi a notícia e, ainda mais intensamente, quando pela última vez olhei para seu rosto inerte, apoiado em   tecido delicado e rodeado por flores, foram os momentos de pura descontração, de brincadeiras e de sorrisos fáceis, desinteressados e ocupados apenas com seu próprio sorrir.

Então vou é viver cada dia de uma vez, e um momento de cada vez, sem fazer muitos planos e sem me importar muito com perfeição. Não existe perfeição. É apenas ponto de vista, ok? Importa-me o hoje. Sinto urgência de viver! De aceitar o presente que é um presente de Deus e desfrutar cada instante. 

O ser. O abraçar. O doar. O sorrir e ainda mais, fazer quem quero bem sorrir.

Bom dia pessoas queridas!

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

The Reincarnation Of Benjamin Breeg - Iron Maiden

Musica é quase como o ar... 
E é só com música, que muitas vezes, eu consigo descrever o que estou sentindo.
Iron Maiden explica-me.



Let me tell you about my life
Let me tell you about my dreams
Let me tell you about the things that happened
Always real to me

Let me tell you of my hope
Of my need to reach the sky
Let me take you on an awkward journey
Let me tell you why
Let me tell you why