sexta-feira, 8 de março de 2013

Amor demais assuta


Algumas pessoas se ocupam em sentir o amor apenas em pequenas doses e, quando são amadas, só se permitem aproveitar e viver o amor se for de forma moderada. 

Na verdade, não são algumas, e sim muitas pessoas que partilham dessa fobia pelo sentimento declarado. Preferem a falsa segurança que a química permite. Coisa de pele. Ou assim se enganam, pra não se sentirem inseguros. Assutados. Preferem só a comodidade de espantar o tédio do dia-a-dia com joguinhos de morde-assopra.

Não se vê por aí, com facilidade, se entregar por completo. A maioria dos casais são cheio de poréns, como se mantivessem sempre uma reserva gigante de espaço para a auto piedade. Parecem não amar intensamente por medo de parecerem ridículas e do que o outro pode lhes causar no abandono. Ou no caso de quando são muito amadas de causar mal a pessoa que as ama, por não corresponderem ou por não entenderem o motivo de serem alvo desse sentimento tão forte.

Uma grande amiga compartilhou, há uns anos atrás, que estava amando seu "ficante". Estavam saindo há 6 alguns meses, já tinham apresentados as famílias, que a cada semana passavam mais tempo juntos, que o tempo parecia parar, estava radiante, feliz, ou melhor, é como ela achava que deveria estar se não fosse o medo que ela tinha que ele percebesse o quanto ela estava envolvida e quais eram os sentimentos que tinha pelo tal. 

Eu falei: "Uau! Que bom! Depois de tanto sofrer por aí você está feliz e amando. Isso é ótimo! O que você está esperando pra contar que o ama? E por que esse medo todo?", ao que ela me respondeu: "Ele vai se assustar porque não existe amor assim por aí".  

Na época eu não consegui entender. Porque o meu relacionamento já era muito claro, sem necessidade de fingir o que sentia, porque a gente se entendia pelo olhar, toque, e nem precisava dizer muito, e mesmo assim, não perdia a oportunidade de contar ao outro o quanto era importante. 

Mas hoje eu percebo, cada vez mais, que as pessoas se assustam mesmo! Tem fobia de ser amadas. Por que? 

Eu não consigo entender a resistência das pessoas em receber o amor que a elas é dado, sem esperar nada em troca. Porque amor é assim, você sente sem esperar nada em troca. E amor é um sentimento tão lindo! Tão puro! Claro que, por vezes (muitas até!) vem acompanhado de muita paixão e reviravoltas na vida dos que se amam, mas na essência, amor deve ser visto como livre, como graça, presente, como dom de Deus...

Como São Paulo escreveu em II Corintios 13, na Bíblia: "...O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece...Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta."

Seja sentir ou ser alvo desse sentimento de alguém bacana, é um presente! E que pena não ser visto assim!

Camões a muitas décadas atrás descreveu a contradição do amor, e acho que é isso que ele indica e mais um pouquinho de frio na barriga cada vez que a gente escuta a voz do outro, de alegria quando a gente sabe que o outro está bem, aquele aperto no peito na saudade e tantas outras sensações!

Pode até doer, mas a magnitude com que nos toca e nos torna pessoas melhores, menos egoístas e com mais fé, compensa. 

Não tenha medo de ser amado!
Não tenha medo de amar!


Amor é fogo que arde sem se ver 
É ferida que dói e não se sente 
É um contentamento descontente 
É dor que desatina sem doer 

É um não querer mais que bem querer 
É solitário andar por entre a gente
É nunca contentar-se de contente 
É cuidar que se ganha em se perder

É querer estar preso por vontade; 
É servir a quem vence, o vencedor; 
É ter com quem nos mata lealdade. 


Mas como causar pode seu favor; 
Nos corações humanos amizade, 
Se tão contrário a si é o mesmo amor? 

Luís de Camões

Nenhum comentário: